Reino Monera - As Bactérias

A0a1901fd531714ccd307cb0e462cc89?s=47 Aula Zen
September 19, 2014

Reino Monera - As Bactérias

O reino Monera é o reino das bactérias, nesta aula você vai ver as características gerais desse grupo

A0a1901fd531714ccd307cb0e462cc89?s=128

Aula Zen

September 19, 2014
Tweet

Transcript

  1. Reino Monera

  2. Célula bacteriana Fímbrias Cápsula Parede celular Plasmídeos DNA associado ao

    mesossomo Nucleóide Flagelo Enzimas relacionadas com a respiração, ligadas à face interna da membrana plasmática Mesossomo Citoplasma Ribossomos Membrana plasmática
  3. Parede celular: método de Gram Bactéria gram-positiva Esquema de bactéria

    com parte da célula removida. Membrana plasmática Parede celular formada por camada espessa de peptidoglicano Esquema de parte da parede celular e da membrana plasmática de bactéria gram-positiva.
  4. Parede celular: método de Gram Esquema de bactéria com parte

    da célula removida. Esquema de parte da parede celular e da membrana plasmática de bactéria gram-negativa. Membrana plasmática Camada de peptidoglicano Bactéria gram-negativa Lipopolissacarídeo Fosfolipídios Proteína Lipoproteínas Camada lipoprotéica externa, espessa, semelhante à membrana plasmática, com lipopolissacarídeos Parede celular
  5. Reprodução das bactérias: divisão Duplicação do DNA Separação das células

    Parede celular Membrana plasmática Molécula de DNA
  6. Transformação Célula bacteriana Lise celular Quebra do DNA Fragmentos de

    DNA doador Célula bacteriana Fragmentos de DNA ligam-se à superfície da célula receptora. O fragmento de DNA é incorporado à célula receptora. O fragmento de DNA é integrado ao cromossomo da célula receptora. Célula transformada Molécula de DNA circular
  7. Transdução Fago O DNA de um fago penetra na célula

    de uma bactéria. O DNA do fago integra-se ao DNA da bactéria como um profago. Quando o profago inicia o ciclo lítico, o DNA da bactéria é degradado e novos fagos podem conter algum trecho do DNA da bactéria. A célula bacteriana se rompe e libera muitos fagos, que podem infectar outras células. O fago infecta nova bactéria. Genes de outra bactéria são introduzidos e integrados ao DNA da bactéria hospedeira. DNA do fago com genes da bactéria
  8. Conjugação Plasmídeo DNA bacteriano Ponte citoplasmática Célula “fêmea” Célula “macho”

    Separação das células Célula “macho” Célula “macho”
  9. Antraz: contaminação Através da pele Primeiros sintomas: úlceras cutâneas que

    podem ser tratadas com medicamento. Casos de morte são raros. Inalação Sintomas: tosse seca, dor no corpo e febre. Se a infecção se agrava pode levar à necrose pulmonar e morte. Ingestão Sintomas: cólicas, dores abdominais e diarréia que pode se agravar e ser fatal. É a forma de contaminação mais rara e a mais grave.
  10. Como fazer uma vacina comestível Batatas transgênicas que podem atuar

    como “vacina” Suspensão de bactérias Agrobacterium tumefaciens Calo Células mortas Meio com antibiótico Célula da planta Transferência de genes DNA Plasmídeo Gene para o antígeno Célula bacteriana Gene que confere resistência a certo antibiótico
  11. Como a vacina comestível confere proteção? Vacina comestível Resposta inicial

    Antígeno da vacina Macrófago Célula M Célula T auxiliar Secreções estimulantes Célula B Anticorpos Quando há infecção Célula T auxiliar de memória Patógeno para o qual se produziu a vacina Célula T citotóxica
  12. Fim