A Cooperação de Nossa Senhora na Redenção

C0f0968555a1e046963baa6b5e74e3c9?s=47 Salve Maria
August 22, 2020

A Cooperação de Nossa Senhora na Redenção

Segunda aula do Curso de Preparação para Consagração a Nossa Senhora, segundo o método de São Luís Maria Grignion de Montfort, dada por video-conferência em 22/08/2020 sobre a Cooperação de Nossa Senhora na Redenção

C0f0968555a1e046963baa6b5e74e3c9?s=128

Salve Maria

August 22, 2020
Tweet

Transcript

  1. A COOPERAÇÃO DE MARIA SANTÍSSIMA NA REDENÇÃO Aula II •

    Curso de Preparação para a Consagração a Nossa Senhora Congregação Mariana da Imaculada Conceição e Santo Afonso • salvemaria.com.br
  2. SOBRE O CURSO Congregação Mariana da Imaculada Conceição e S.

    Afonso de Ligório salvemaria.com.br
  3. SOBRE O CURSO ➤ Como participar bem do curso ➤

    Assistência às aulas ➤ Leitura do Tratado e, se possível, dos outros livros ➤ Preparação interior - Orações, confissão comunhões, pedindo a Nosso Senhor a graça da perseverança ➤ …E a força para que essa consagração não seja apenas exterior e sensível, mas interior e verdadeira ➤ A vida interior do consagrado ➤ Nossa alma… Maria… Jesus! 3
  4. REFERÊNCIAS DO CURSO ➤ Tratado da Verdadeira Devoção à Santíssima

    Virgem S. Luís Maria Grignion de Montfort † 1716(Vozes 2013) ➤ O Segredo da Verdadeira Devoção para com a Santíssima Virgem Pe. Júlio Maria de Lombaerde, 1942 (Ed. S. Tomás, 2012) ➤ Catecismo Romano ➤ Glórias de Maria S. Afonso de Ligório †1787 (Santuário 1989) ➤ Exercícios Preparatórios para a Consagração de São Luís Maria de Montfort Pe. Joseph M. Dayet, 1957 (Pinus, 2012) ➤ The Blessed Virgin Mary Pe. Gregory Alastruey, 1964. Em dois tomos ➤ O Segredo de Maria S. Luís Maria Grignion de Montfort † 1716(Santuário 2012) 4
  5. ITINERÁRIO DO CURSO ➤ 15/08 – A Maternidade Divina como

    fundamento da devoção a Nossa Senhora ➤ 22/08 – A Cooperação de Nossa Senhora na Redenção ➤ 29/08 – Necessidade da Verdadeira Devoção ➤ 05/09 – Princípios da Devoção a Nossa Senhora ➤ 12/09 – Vida da Santíssima Virgem ➤ 19/09 – Antiguidade da Devoção Mariana ➤ 26/09 – A Verdadeira e as Falsas Devoções ➤ 03/10 – Características da Verdadeira Devoção ➤ 10/10 – Veneração de Nossa Senhora ➤ 17/10 – Elementos do Culto Mariano ➤ 24/10 – Efeitos e Práticas da Verdadeira Devoção ➤ 31/10 – Principais erros nesta Devoção ➤ 07/11 – Início da preparação ➤ 08/12 – Consagração 5
  6. A COOPERAÇÃO DE NOSSA SENHORA NA REDENÇÃO Congregação Mariana da

    Imaculada Conceição e S. Afonso de Ligório salvemaria.com.br
  7. ONDE PARAMOS ➤ “Nossa Senhora é Mãe de Deus porque

    deu a luz na carne à Palavra de Deus feita carne” (Conc. de Éfeso, 341) ➤ Por ser mãe de Deus, tem uma dignidade quase infinita, proveniente do bem infinito que é Deus ➤ “Sendo Mãe de Deus, importa ainda dizer que espiritualmente, Maria não é mãe da Cabeça, isto é, do Salvador, pois recebeu dEle sua própria vida espiritual, mas é mãe de seus Membros, isto é, nossa mãe, pois ela cooperou para o nascimento dos membros do Corpo de Cristo” (S. Agostinho) ➤ A maternidade é causa de uma como escravidão, porque reflete a relação entre o Criador e as criaturas 7
  8. “Assim como Cristo, assumindo a natureza humana destruiu o decreto

    de condenação que havia contra nós, cravando-o triunfalmente na Cruz, assim também a Santíssima Virgem, unida com Ele por um vínculo estreitíssimo e indissolvível, com Ele e por Ele, colocou em efeito a eterna inimizade contra a venenosa serpente, vencendo-a e esmagando-lhe a cabeça com seus pés virginais -Papa Pio IX Ineffabilis Deus, 08/12/1854
  9. “Verdadeiramente, a Imaculada Virgem, escolhida para ser a Mãe de

    Deus e assim associada a Ele na obra da Redenção, possui um favor e um poder com seu Filho maior que qualquer criatura angélica ou humana jamais poderia ter -Papa Leão XIII Suprem. Apost. 01/09/1883
  10. A OBRA DA REDENÇÃO ➤ Dogma essencial da Igreja, base

    da religião cristã e fundamento de toda a economia divina (TBVM, 8) ➤ A Redenção é a razão pela qual Cristo se encarnou: a satisfação, na Cruz, da dívida do pecado original e a reconciliação entre o homem e Deus ➤ “Porque aprouve a Deus que, nEle, residisse toda a plenitude e que, havendo feito a paz pelo sangue da sua cruz, por meio dele, reconciliasse consigo mesmo todas as coisas” (Col I, 19) ➤ A Redenção, num sentido estrito, é obra de Cristo somente, pois somente Ele poderia praticar obras de valor infinito capazes de reparar a infinita majestade de Deus ofendida pelo pecado
  11. A OBRA DA REDENÇÃO ➤ Redenção Objetiva ➤ Obra da

    Salvação – A paixão e morte de Cristo – que elevou a humanidade, caída pelo pecado original ➤ Causa universal da Salvação ➤ Redenção Subjetiva ➤ Aplicação da obra da salvação a cada cristão ➤ A Santa Missa ➤ A fonte de água e o ato de beber ➤ O remédio e a obtenção da cura por meio de seu uso ➤ A cooperação de Nossa Senhora
  12. “Foi pela Santíssima Virgem Maria que Jesus Cristo veio ao

    mundo, e é também por ela que deve reinar no mundo. -São Luís Maria Grignion de Montfort Tratado da Verdadeira Devoção, §1
  13. COOPERAÇÃO NA REDENÇÃO OBJETIVA ➤ Cooperação na Redenção Objetiva é

    a participação que Nossa Senhora teve na obra da Redenção realizada por seu Filho ➤ Essa cooperação se deu de três maneiras: Fisicamente, moralmente e por meio de sua compaixão ➤ Fisicamente — Ao consentir em dar à luz ao Verbo de Deus ➤ Cristo pagou o preço por nossos crimes, Maria deu a Ele os meios de fazê-lo (S. Tomás de Villanova) 13
  14. COOPERAÇÃO NA REDENÇÃO OBJETIVA ➤ Moralmente — Ao consentir na

    obra da redenção pelo seu “fiat” ➤ Nossa Senhora não apenas consentiu em ser a mãe do Verbo, mas também em sua obra redentora ➤ O anjo a ensinou o que aconteceria com seu Filho. E ela consentiu ➤ Por uma virgem, veio a morte, por outra veio a vida. Um anjo enganou a primeira, outro trouxe a mensagem à segunda. Uma foi desobediente e orgulhosa, a outra, humilde e obediente. Fomos salvos pelas armas que o Demônio usou antes contra nós (S. Cirilo de Jerusalém) 14
  15. COOPERAÇÃO NA REDENÇÃO OBJETIVA ➤ Por sua compaixão materna —durante

    toda a sua vida, mas especialmente na Cruz, Nossa Senhora uniu sua vontade e sofrimentos aos de Seu Filho ➤ Não de modo necessário, mas de modo auxiliar — adiutorium similem sui (Gn 2,18) ➤ Stabat juxta crucem - Ao unir sua vontade e sofrimentos aos de Cristo, Nossa Senhora de certo modo aumentava o próprio martírio pelo qual fomos redimidos ➤ Vede neste templo [o calvário] dois altares: um no coração de Maria, outro, no corpo de Cristo. Cristo sacrificou seu corpo, Maria, a sua alma (Arnold de Bonneval) 15
  16. “Foi pela Santíssima Virgem Maria que Jesus Cristo veio ao

    mundo, e é também por ela que deve reinar no mundo -São Luís Maria Grignion de Montfort Tratado da Verdadeira Devoção, §1
  17. COOPERAÇÃO NA REDENÇÃO SUBJETIVA ➤ Cooperação na Redenção Subjetiva é

    a participação que Nossa Senhora teve tem na aplicação e distribuição dos frutos da Redenção Objetiva a todos os homens ➤ Essa cooperação se dá de duas maneiras: radical e formal ➤ Radical — Sendo Nossa Senhora a origem (raiz) da causa, é também origem dos efeitos ➤ Ela nos deu seu Filho, e com Ele, todas as coisas (S. Alberto Magno) ➤ Venerunt mihi omnia bona pariter cum illa (Sb 7,11) 17
  18. COOPERAÇÃO NA REDENÇÃO SUBJETIVA ➤ A cooperação formal se dá

    pela intercessão onipotente e pela distribuição das graças ➤ Pela intercessão onipotente - A oração de Nossa Senhora é mais eficaz que a de todos os santos no céu juntos ➤ Ensina S. Tomás: Quanto maior a caridade do santo no céu, mais ele reza por seus devotos na Terra, e quanto mais unidos a Deus, mais eficaz suas orações — Nossa Senhora possui caridade e união com Deus quase perfeitas, por isso podemos dizer que tudo ela alcança de Deus ➤ As orações dos santos dependem somente da benignidade divina; as de Maria, no entanto, dependem em seus direitos maternais (S. Pio V) 18
  19. COOPERAÇÃO NA REDENÇÃO SUBJETIVA ➤ Pela distribuição das graças -

    Nossa Senhora é o "pescoço da Igreja” e a escada de Jacó ➤ A distribuição das graças ocorre não por meio material (como os sacramentos) nem criador, mas como co-agente (subordinada a Cristo). Ela não é apenas o canal, mas a própria distribuidora dos tesouros do céu, que intercede e os direciona a quem a aprouver ➤ Isso se dá por quatro causas: ➤ Por sua maternidade divina — A graça, como a vida, tende a radiar. Por sua Maternidade Divina, Ela possui uma união estreitíssima com a fonte da graça ➤ Por sua cooperação na redenção objetiva — Cabe a Ela, por ter nos conseguido as graças por meio de seu filho, distribui-las 19
  20. COOPERAÇÃO NA REDENÇÃO SUBJETIVA ➤ Por sua maternidade espiritual —

    A maternidade pressupõe a preparação e o cuidado — como que uma escravidão ➤ Se a vida perfeita em Cristo consiste em sermos como criancinhas, podemos esperar de nossa mãe as graças que precisamos para agradar ao seu Divino Filho ➤ Por sua dignidade como Rainha — Nossa Senhora é Rainha no reino de Cristo em um sentido formal, na medida em que direciona os homens a sua eterna salvação
  21. “Foi pela Santíssima Virgem Maria que Jesus Cristo veio ao

    mundo, e é também por ela que deve reinar no mundo -São Luís Maria Grignion de Montfort Tratado da Verdadeira Devoção, §1
  22. Congregação Mariana da Imaculada Conceição e Santo Afonso de Ligório

    - Manaus / AM www.salvemaria.com.br