Upgrade to Pro — share decks privately, control downloads, hide ads and more …

Catecismo 2021 - Do Pai Nosso (parte II - Da Oração)

Catecismo 2021 - Do Pai Nosso (parte II - Da Oração)

Curso de Catecismo - Turma 2021
Aula 24: Do Pai Nosso (parte II - Da Oração)

Aula ministrada em 17/08/21

15da9fc679a095a86bd46a422773c25e?s=128

salvemaria

August 17, 2021
Tweet

Transcript

  1. CATECISMO 2021 – DO PAI NOSSO (DA ORAÇÃO) Lição XXIV

    • Curso de Catecismo para adultos Congregação Mariana da Imaculada Conceição e Santo Afonso • salvemaria.com.br
  2. SEJA FEITA A VOSSA VONTADE, ASSIM NA TERRA COMO NO

    CÉU
  3. 19 298) Que pedimos na terceira petição: seja feita a

    vossa vontade, assim no Céu como na terra? Na terceira petição: seja feita a vossa vontade, assim no Céu como na terra, pedimos a graça de que em todas as coisas obedeçamos a vontade de Deus, com os seus santos Mandamentos tão prontamente como os Anjos e os Santos Lhe obedecem no Céu. Pedimos, também, a graça de responder às divinas inspirações e de viver resignados à vontade de Deus, quando Ele nos envia tribulações. 299) É necessário fazer a vontade de Deus? É tão necessário fazer a vontade de Deus, tanto quanto nos é necessário alcançar a salvação eterna, porque Jesus Cristo disse que somente entrará no reino dos céus aqueles que fazem a vontade de seu Pai.
  4. 20 300) Mas como podemos conhecer qual a Vontade de

    Deus? Podemos conhecer a vontade de Deus especialmente por meio da Santa Igreja e de nossos superiores espirituais, estabelecidos por Deus, para guiar-nos no caminho da Salvação. Também podemos conhecê-la através das divinas inspirações ou pelas circunstâncias em que o Senhor nos tenha colocado. 301) Devemos sempre reconhecer a vontade de Deus nas prosperidades ou adversidades da vida? Tanto nas prosperidades como nas adversidades da vida presente, devemos sempre reconhecer a vontade de Deus, que dispõe ou permite todas as coisas para o nosso bem.
  5. FIAT VOLUNTAS TUA ➤ É como se fôssemos doentes que

    aceitam o remédio amargo, prescrito pelo médico. O doente não quer tal remédio, mas aceita a vontade do médico, do contrário, seguindo só sua vontade, seria um insensato. Da mesma maneira, não devemos pedir a Deus nada além do Seu querer, isto é, a realização de Sua vontade ➤ Deus quer que tenhamos a vida eterna ➤ Sua vontade é que cumpramos Seus mandamentos. Quando alguém deseja um bem, quer não só este bem, como os meios para obtê-lo. ➤ Jesus não nos faz dizer a nosso Pai: «fazei a vossa vontade», nem tão pouco, «que nós façamos a vossa vontade», mas sim: «Seja feita a vossa vontade». ➤ Com efeito, duas coisas são necessárias para alcançarmos a vida eterna: a graça de Deus e a vontade do homem.
  6. O PÃO NOSSO DE CADA DIA DAI-NOS HOJE

  7. 23 302) O que pedimos na quarta petição: o pão

    nosso de cada dia nos dai hoje? Na quarta petição: o pão nosso de cada dia nos dai hoje, pedimos a Deus o que nos é necessário a cada dia, tanto para a alma quanto para o corpo. 303) Que pedimos a Deus para a nossa alma? Para a nossa alma pedimos a Deus o sustento da vida espiritual, ou seja, pedimos ao Senhor que nos dê a sua graça, da qual necessitamos a todo instante. 304) Como sustentar a vida da nossa alma? A vida da nossa alma sustenta-se especialmente com o alimento da palavra divina, e com o Santíssimo Sacramento do altar. 305) Que pedimos a Deus para o nosso corpo? Para o nosso corpo pedimos o que é necessário para o sustento da vida temporal. Catecismo de São Pio X
  8. 24 306) Por que dizemos: o pão nosso de cada

    dia nos dai hoje e não dizemos antes: dai-nos hoje o pão de cada dia? Dizemos: O pão nosso de cada dia nos dai hoje, e não dizemos: dai-nos hoje o pão de cada dia, para eliminar todo e qualquer desejo pelos bens alheios. Por isso pedimos ao Senhor que nos ajude nos ganhos justos e lícitos para que procuremos o sustento com o nosso trabalho, sem furtos e fraudes. 307) Por que dizemos: dai-nos o pão, e não: dai-me o pão? Dizemos: dai-nos, e não: dai-me, para nos lembrarmos de que, sendo Deus o doador de todos os bens, e se Ele no-los dá em abundância, é para que distribuamos o excedente aos pobres. 308) Por que acrescentamos: de cada dia? Acrescentamos de cada dia, porque devemos desejar o que nos é necessário para a vida, e não a fartura dos alimentos e dos bens da terra. 309) Que signi cado tem a palavra hoje na quarta petição? A palavra hoje quer dizer que não devemos andar demasiadamente preocupados com o futuro, mas pedir o que nos é necessário no presente. Catecismo de São Pio X
  9. PANEM NOSTRUM QUOTIDIANUM ➤ É preciso saber, que nos três

    pedidos precedentes do «Pai Nosso», pedimos bens espirituais, cuja possessão começa neste mundo, mas só será perfeita na vida eterna. ➤ Também é necessário pedir a Deus alguns bens indispensáveis, cuja possessão perfeita é possível na vida presente. ➤ Ao mesmo tempo nos faz mostrar que é Deus que nos provê em nossas necessidades temporais
  10. PANEM NOSTRUM QUOTIDIANUM ➤ Existem além do pão, alimento do

    corpo, duas outras qualidades de pão. O pão sacramental e o da palavra de Deus. ➤ Na Oração Dominical também pedimos nosso pão sacramental que é todo dia preparado na Igreja e que recebemos como sacramento, como penhor de nossa salvação.
  11. PERDOAI-NOS AS NOSSAS DÍVIDAS ASSIM COMO NÓS PERDOAMOS AOS NOSSOS

    DEVEDORES
  12. 28 310) Que pedimos na quinta petição: Perdoai-nos as nossas

    dívidas, assim como nós perdoamos aos nossos devedores? Na quinta petição: perdoai-nos as nossas dívidas, assim como nós perdoamos aos nossos devedores, pedimos a Deus para nos perdoar os nossos pecados, assim como nós perdoamos aos nossos ofensores. 311) Por que os nossos pecados são chamados de dívidas? Os nossos pecados são chamados de dívidas porque devido a eles temos que satisfazer a justiça divina, seja nesta vida, seja na outra. 312) Aqueles que não perdoam ao próximo, podem esperar que Deus lhes perdoe? Aqueles que não perdoam ao próximo não têm nenhuma razão para esperar que Deus lhes perdoe, especialmente porque eles se condenam a si mesmos, dizendo a Deus que lhes perdoe, como eles perdoam ao próximo. Catecismo de São Pio X
  13. DIMITTE NOBIS DEBITA NOSTRA ➤ O pecado enquanto dívida ➤

    No pecado, são dois os elementos presentes: a culpa, pela qual se ofende a Deus, e o castigo devido pela ofensa. ➤ A falta é perdoada pela confissão ou pela contrição perfeita ➤ O castigo, por sua vez, será pago pela própria confissão, pelas indulgência e boas obras
  14. DIMITTE NOBIS DEBITA NOSTRA ➤ Precisamos saber que há dois

    modos de perdoar o próximo ➤ O primeiro é o dos perfeitos, que leva os ofendidos a procurarem os ofensores ➤ O segundo modo de perdoar é comum a todos, é a obrigação de todos; nada mais é que perdoar os que pedem perdão
  15. E NÃO NOS DEIXEIS CAIR EM TENTAÇÃO

  16. 32 13) Que pedimos na sexta petição: e não nos

    deixeis cair em tentação? Na sexta petição: E não nos deixeis cair em tentação, pedimos a Deus para nos livrar das tentações, ou não permitir que sejamos tentados, ou dando-nos graças para não sermos vencidos. 314) Que são as tentações? As tentações são uma incitação ao pecado que vem a nós do demônio, ou das pessoas más ou das nossas paixões. 315) É pecado ter tentações? Não, não é pecado ter tentações, mas é pecado consentir nelas, ou expor-se voluntariamente ao perigo de consentir. 316) Por que Deus permite que sejamos tentados? Deus permite que sejamos tentados para provar a nossa fidelidade, para fortalecer as nossas virtudes e para aumentar os nossos merecimentos. 317) Que devemos fazer para evitar as tentações? Para evitar as tentações devemos fugir das ocasiões perigosas, guardar os sentidos, receber com frequência os santos sacramentos, fazer uso da oração. Catecismo de São Pio X
  17. ET NE NOS INDUCA IN TENTATIONEM ➤ Tentar não quer

    dizer mais do que: por à prova. Assim, tentar o homem, é por à prova sua virtude. ➤ O primeiro modo é provar a virtude, Deus tenta o homem, provocando-o a fazer o bem. ➤ O segundo modo de tentar a virtude do homem é incitá- lo ao mal. Esta tentação vem dos três inimigos - a carne, o mundo e o demônio
  18. ET NE NOS INDUCA IN TENTATIONEM ➤ A carne tenta

    ➤ instigando o homem para o mal, pela procura dos gozos carnais, que são sempre ocasião de pecado. ➤ desviando-nos do bem. Pois o espírito, por si mesmo, se deleita sempre com os bens espirituais; mas o peso da carne entrava o espírito ➤ O demônio tenta ➤ Não propondo de declaradamente mau, desviando ligeiramente o homem de sua orientação geral interior, o suficiente para, em seguida, levá-lo facilmente a pecar. ➤ Depois de ter induzido o homem ao pecado, prende-o para não permitir que ele se liberte de suas faltas. ➤ Assim o demônio faz duas coisas: engana o homem e o conserva enganado em seu pecado.
  19. ET NE NOS INDUCA IN TENTATIONEM ➤ O mundo tenta

    ➤ por um desejo desmesurado das coisas temporais. A cupidez é raiz de todos os males, diz o Apóstolo ➤ por medo das perseguições e dos tiranos ➤ Quando minhas forças faltarem, não me desampares (Sl 70)
  20. 36 São João Batista de La Salle Aceitará sem reclamar

    todos os males que lhe sobrevêm. A respeito dos erros que lhe foram feitos por outros, aqui está o que somos aconselhados a fazer por S. Francisco de Sales: “Queixar-se deles o menos possível; pois é certo que, via de regra, quem reclama, peca. O amor próprio sempre faz sentir que essas faltas são maiores do que realmente são. Deverá, assim, acima de tudo, não dirigir suas queixas a pessoas que se indignam rapidamente e falam mal dos outros. Se convém queixar-se a alguém, para remediar a ofensa, ou mesmo para acalmar a própria mente, que seja com alguém que possa fazer algo a respeito ou alguém de temperamento calmo; pois do contrário, em vez de aliviar o coração, seria ele provocado a uma inquietação ainda mais profunda;”
  21. Congregação Mariana da Imaculada Conceição e Santo Afonso de Ligório

    Manaus / AM www.salvemaria.com.br