Virtudes Teologais - A fé, a esperança e a caridade

C0f0968555a1e046963baa6b5e74e3c9?s=47 Salve Maria
August 10, 2019
14

Virtudes Teologais - A fé, a esperança e a caridade

Conferência sobre as virtudes teologais dada em 10/08/2019

C0f0968555a1e046963baa6b5e74e3c9?s=128

Salve Maria

August 10, 2019
Tweet

Transcript

  1. 1

  2. 2 Referências Compêndio de Teologia Ascética e Mística, Adolphe Compêndio

    de Teologia Ascética e Mística, Adolphe Tanquerey Tanquerey Suma Teológica, Tratado sobre as Virtudes, S. Tomás de Suma Teológica, Tratado sobre as Virtudes, S. Tomás de Aquino Aquino Catecismo Romano Catecismo Romano
  3. 3 Virtudes A graça do Batismo A graça do Batismo

    "Ele nos salvou pelo banho da "Ele nos salvou pelo banho da regeneração, e pela regeneração, e pela renovação no Espírito Santo, renovação no Espírito Santo, que que derramou sobre nós com derramou sobre nós com abundância abundância, por Jesus Cristo , por Jesus Cristo Nosso Salvador" Nosso Salvador"
  4. 4 Virtudes A virtude humana é um A virtude humana

    é um hábito hábito que aperfeiçoa o homem para que aperfeiçoa o homem para obrar obrar retamente retamente A virtude é uma A virtude é uma boa boa qualidade da mente, pela qual vivemos qualidade da mente, pela qual vivemos retamente retamente, de que ninguém pode usar mal, e que , de que ninguém pode usar mal, e que Deus obra Deus obra em nós, sem nós em nós, sem nós. . Virtudes Virtudes Naturais Naturais Virtudes Virtudes Sobrenaturais ou Sobrenaturais ou infusas infusas
  5. 5 Virtudes Virtudes naturais Virtudes naturais Virtudes infusas Virtudes infusas

    Origem Origem Repetição dos atos Repetição dos atos Graça santificante Graça santificante Exercício Exercício Facilidade de produzir atos semelhantes Facilidade de produzir atos semelhantes com prontidão com prontidão Poder de fazer atos meritórios, com Poder de fazer atos meritórios, com uma certa tendência a produzi-los uma certa tendência a produzi-los Finalidade Finalidade Tendem ao bem honesto; orientam-nos Tendem ao bem honesto; orientam-nos para Deus para Deus Bem sobrenatural; encontro com o Deus Bem sobrenatural; encontro com o Deus Uno e Trino Uno e Trino
  6. 6 Virtudes Virtudes naturais Virtudes naturais Virtudes infusas Virtudes infusas

    Virtudes intelectuais Virtudes intelectuais Virtudes morais Virtudes morais (cardeais) (cardeais) Virtudes teologais Virtudes teologais
  7. 7 Virtudes teologais  Objeto material: Deus  Objeto formal:

    atributo divino  Ordenam as potências de alma  Fé: união com Deus, Verdade Infinita  Esperança: união com Deus, Suprema Beatitude  Caridade: união com Deus, Bondade infinita
  8. 8

  9. 9 A fé  Adesão da inteligência à verdade, fundada

    na confiança  “Crede em Yawheh vosso Deus e sereis salvos”  Firme assentimento às verdades reveladas por causa da autoridade de Deus  Ato de inteligência pelo influxo da vontade com auxílio da graça  Objeto material: Verdades Reveladas  Motivo: Autoridade divina manifestada na revelação
  10. 10

  11. 11 A fé  Fundamento da justificação, princípio da salvação

     Telescópio, raiz e base do edifício  Distingue o cristão do filósofo, como a razão distingue o homem do animal  Princípio de força  Fonte de méritos
  12. 12 A prática da fé  Oração e esforços pessoais

     Graças a Deus  “Adauge nobis fidem” - Atos de fé  Estudo  Humildade intelectual  Tentações – Vagas: repelir – Específicas: não duvidar e buscar resposta
  13. 13 A esperança  Paixão e sentimento  Virtude: Nos

    faz desejar a Deus como nosso bem supremo, e aguardar com firme confiança, por causa da bondade e do poder divino, a bem-aventurança eterna e os meios de a alcançar  Objeto: Deus e as verdades referentes à vida eterna e os meios de a conseguir  Socorro da graça  Motivo: bondade e auxílio de Deus
  14. 14

  15. 15 A esperança  Desapego dos bens terrenos – Faltam-lhe

    perfeição e duração  Dá eficácia às nossas orações  “Quem jamais esperou no Senhor e foi confundido?”  Paralítico e a cananeia  Princípio de atividade fecunda – santos desejos – Aumento das energias
  16. 16 A prática da esperança  Tornar mais sólida nos

    fundamentos: meditação  Corresponder à graça  Evitar a presunção e o desespero  Operar pela salvação com temor e tremor  Desprendimento dos bens terrenos  Confiança na perseverança final
  17. 17 A caridade  A caridade é amor, mas o

    amor nem sempre é caridade  Grau superior  Objeto: Deus e o próximo  Nos faz amar a Deus como Ele se ama sobre todas as coisas e ao próximo  Buscar a Deus incessantemente – aspirar a perfeição  Motivo: Infinita perfeição  Amar pela bondade em si de Deus
  18. 18

  19. 19 A caridade  “A caridade é paciente, é benigna;

    a caridade não é invejosa, não obra temerária nem precipitadamente, não se ensoberbece, não é ambiciosa, não busca os seus próprios interesses, não se irrita, não suspeita mal, não folga com a injustiça, antes se alegra com a verdade; tudo tolera, tudo crê, tudo espera, tudo sofre.”  Jamais há de acabar
  20. 20 A prática da caridade  Será mais perfeito quanto

    mais der tudo de si  Espírito de sacrifício  Evitar o pecado  Meditação das dores de Nosso Senhor  Conformidade com a Vontade Divina  Santa Indiferença
  21. 21 A caridade para com o próximo  Ver Deus

    no próximo  Serviço bem feito a todos  Evitar  juízos temerários, maledicências, calúnias  Antipatias  Palavras ásperas  Rixas  Rivalidades  Motivos de escândalo  Cordialidade e simpatia  Apostolado do exemplo