Upgrade to Pro — share decks privately, control downloads, hide ads and more …

Identificando notícias falsas e promovendo uma comunicação cidadã

7b13eb28e6f59c48644a4a2146c3b9ec?s=47 Taís Oliveira
January 01, 2021

Identificando notícias falsas e promovendo uma comunicação cidadã

Material de apoio da oficina Identificando notícias falsas e promovendo uma comunicação cidadã do Programa Agentes de Governo Aberto da Prefeitura Municipal de São Paulo, ciclo 2020 .

7b13eb28e6f59c48644a4a2146c3b9ec?s=128

Taís Oliveira

January 01, 2021
Tweet

Transcript

  1. Identificando notícias falsas e promovendo uma comunicação cidadã Taís Oliveira

  2. Pilares de Governo Aberto TRANSPARÊNCIA PARTICIPAÇÃO INOVAÇÃO INTEGRIDADE ampliar os

    processos de participação na tomada de decisões desenvolver processos que estimulem a integridade e responsabilização do poder público e seus agentes fomentar a criação e uso de ferramentas de inovação tecnológica e social garantir a transparência por meio do acesso às informações públicas
  3. Nesta edição, 32 Agentes irão realizar oficinas telepresenciais para um

    público bastante diversificado. Ao todo, serão realizadas mais de 1.000 horas de oficinas, entre 15 de setembro e 13 de dezembro! As oficinas são gratuitas e certificadas. Para receber o certificado, é preciso preencher o formulário de avaliação ao final da oficina.
  4. Taís Oliveira é formada em relações públicas, Mestra e doutoranda

    em Ciências Humanas e Sociais pela UFABC, onde pesquisa tecnologia e questões étnico-raciais. É professora universitária, pesquisadora membra do NEAB-UFABC (Núcleo de Estudos Africanos e Afro- brasileiros), do grupo de pesquisa Desigualdades Sociais no Brasil e do Grupo PARES (Pesquisa em Análise de Redes Sociais). @tais_so taisoliveira.me
  5. Dinâmica: • A proposta é uma oficina dialógica e interativa;

    • Usem o chat para comentários e perguntas; • Se eu não souber responder algo, me comprometo a procurar; • Se apresentem brevemente dizendo: nome, cidade/estado, área de atuação e motivação para participar da oficina.
  6. Cronograma da oficina: • Comunicação e Democracia; • Desinformação e

    discurso de ódio; • O papel das plataformas; • Checagem dos fatos; • Contranarrativas em rede; • Checagem na prática; • Considerações e partilha; • Recados e finalização.
  7. QUIZ DAS FAKE NEWS

  8. Link no Chat! http://bit.ly/QuizOficina

  9. O PAPEL DA COMUNICAÇÃO NAS DEMOCRACIAS

  10. A democracia é sempre afetada pela forma como se dão

    os processos comunicacionais. (BRAGA, 2018)
  11. Os meios de comunicação também interferem nas práticas políticas, criando

    uma dinâmica própria dentro do jogo: os veículos de comunicação tornam-se novos espaços de disputa e novas ferramentas de persuasão, além de incorporar outros atores nos pleitos políticos. (PENTEADO & FORTUNATO, 2015)
  12. Através dos veículos de comunicação, as ideias, ações e discursos

    ganham importância (conhecimento) perante a sociedade, criando espaços de disputas simbólicas (discurso político) que a afetam como um todo. (PENTEADO & FORTUNATO, 2015)
  13. Narrativas midiáticas em disputa: Informação e contrainformação política no caso

    Claudia Silva Ferreira (LIMA, HOMMA & SOUZA, 2017)
  14. Mídias Independentes e Periféricas

  15. Campanha Alvos do Genocídio | Coalizão Negra por Direitos

  16. Ações do Instituto Marielle Franco

  17. O Ciclo do Silêncio: impunidade em homicídios de comunicadores no

    Brasil | Artigo 19 | 2018
  18. o Interatividade; o Rompimento da dinâmica comunicacional; o Produção e

    propagação de conteúdo com custo reduzido e alcance; o Recursos multimídia; o Novas formas de organizar o conhecimento; o Meio não regulado e de difícil regulação. Internet BRAGA, 2018
  19. Internet e eleições no Brasil: diagnóstico e recomendações Relatório do

    InternetLab sobre as eleições de 2019/2020
  20. DESINFORMAÇÃO DISCURSO DE ÓDIO

  21. O termo Fake News (“Notícias Falsas”) é senso comum, mas

    não é a melhor maneira de falar deste fenômeno. Isto por que a produção de uma notícia segue princípios éticos e processos que visam garantir a veracidade e credibilidade da informação.
  22. A desinformação, assim, está associada a discursos que introduzem ideias

    falsas ou manipuladas nas conversações mediadas por computador. Uma das principais consequências disso, na mídia social, é o efeito de “falso consenso” (SOON; GOH, 2018), que se refere a uma impressão de consenso onde as pessoas tendem a acreditar naqueles discursos que a maioria dos demais parece apoiar. (RECUERO, 2020)
  23. As práticas de desinformação-intencional e não- intencional são tentativas de

    manipular a conversação na esfera pública política, no sentido de criar falsas percepções e manipular as opiniões. (RECUERO, 2020)
  24. Desinformação nas Mídias Sociais o Apropriação das tecnologias pelo usuário;

    o Espalhamento rápido e alcance amplo; o Automação e robôs para a difusão do conteúdo; o Manipulação fotográfica, clickbaits, teorias da conspiração, sátira e paródia de notícias reais, fabricação de notícias, propaganda política, rumores e boatos. RECUERO, 2020
  25. "Já o lugar natural do negro é o oposto, evidentemente:

    da senzala às favelas, cortiços, porões, invasões, alagados e conjuntos ‘habitacionais’ (cujos modelos são os guetos dos países desenvolvidos) dos dias de hoje, o critério também tem sido simetricamente o mesmo: a divisão racial do espaço." (GONZALEZ, 1982)
  26. A linguagem como ato de violência designa quem pode/deve viver

    e morrer (PINTO, 2016). E o corpo negro, que é nomeado à violência da exclusão, ao controle e vigilância pela manutenção do sistema, é um corpo que representa perigo ao poder em diferentes percepções. (ALMEIDA, 2019)
  27. Marielle não foi somente atacada fisicamente, o que resultou em

    sua execução. Dias após sua morte, ela foi atacada virtualmente em forma de fake news, e o objetivo dessa viralização de notícias falsas tentaram esvaziar a potência e a figura política que ela representava, tornando sua execução mero resultado de causa e consequência das pautas que ela lutava e defendia. (SANTOS, 2019) As Fake News como instrumento de naturalização da morte de pessoas negras envolvendo agentes do Estado: caso Marielle Franco | Caroline Santos
  28. Levantamento das notícias falsas averiguadas por Agências de Checagem.

  29. Classificação por representação simbólica.

  30. Neto do Neguinho da Beija-Flor é alvo de desinformação Checagem

    da Agência Lupa
  31. Eleições e Desinformação A candidata Manuela d’Ávila foi alvo de

    pelo menos 33 links difamatórios na página da rede social Facebook – número que o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) determinou retirar em oito de outubro de 2018 –, os quais, somando o alcance desses posts, havia 146.480 compartilhamentos e 5.190.942 visualizações. (GADELHA & KERR, 2019)
  32. A Pequena Política e as Fake News contra a Candidata

    Mulher nas Eleições Presidenciais de 2018 (GADELHA & KERR, 2019)
  33. Justiça determina que Google retire do ar fake news citada

    por Russomanno
  34. Polarização, Hiperpartidarismo e Câmaras de Eco: Como circula a Desinformação

    sobre Covid-19 no Twitter (RECUERO, SOARES & ZAGO, 2020) Os resultados apontam para uma maior atividade na divulgação de links pró-hidroxicloroquina, grupo onde também circula a maior quantidade de desinformação e de veículos hiperpartidários. Do mesmo modo, a circulação de veículos de mídia tradicional e institucionais é bastante reduzida neste grupo, fortalecendo a associação entre mídia hiperpartidária e desinformação.
  35. o Rede polarizada; o Duas comunidades; o Em vermelho são

    os usuários; o Em azul são os links; o Cada comunidade compartilha os mesmos links dentro do respectivo grupo.
  36. None
  37. TRINDADE, 2020 Análise de frequência de ‘discurso de ódio’ em

    artigos de publicações selecionadas. Há uma ‘nova ordem mundial’ a partir de 2012, onde discurso de ódio tornou-se parte do cenário digital global. No Brasil se destaca o discurso de ódio de cunho racista contra pessoas negras. Um suposto "colour-blind"; ambientes virtuais e off- line não são dissociados; mecanismos de buscas reforçam as desigualdades; racismo algorítmico (DANIELS, 2009; NOBLE, 2018; SILVA, 2020).
  38. Acima da desinformação ou notícias falsas na África: outra estratégia

    para controlar a propagação do COVID-19 Conjuntos de dados sobre como a desinformação promove a percepção imunológica da pandemia de COVID-19 na África Principais desafios da liberdade da mídia na Melanésia: crise climática, liberdade na Internet, notícias falsas e Papua Ocidental Um problema Mundial
  39. ONU lança plano de ação contra discurso de ódio (link)

    “Em todo o mundo, estamos vendo uma onda perturbadora de xenofobia, racismo e intolerância [...]. As mídias sociais e outras formas de comunicação estão sendo exploradas como plataformas para o fanatismo. Os movimentos neonazistas e de supremacia branca estão em marcha. O discurso público está sendo armados para ganho político com retórica incendiária que estigmatiza e desumaniza minorias, migrantes, refugiados, mulheres e os chamados ‘outros’.” “O discurso do ódio é uma ameaça aos valores democráticos, à estabilidade social e à paz.” “Combater o discurso do ódio também é crucial para aprofundar o progresso na agenda das Nações Unidas, ajudando a prevenir conflitos armados, crimes de atrocidade e terrorismo, acabando com a violência contra mulheres e outras violações graves dos direitos humanos e promover sociedades pacíficas, inclusas e justas.”
  40. • Monitoramento e Análise do discurso de ódio; • Compreender

    as causas, motivações e atores do discurso de ódio; • Engajamento e suporte de vítimas do discurso de ódio; • Convocação de atores relevantes; • Engajamento com as novas e tradicionais mídias; • Uso da tecnologia; • Uso da educação como ferramenta para conter o discurso de ódio; • Promoção de sociedades pacíficas, inclusivas e justas para abordar as causas e os direcionadores do discurso de ódio; • Engajamento em Advocacy; • Desenvolvimento de orientações para comunicações externas; • Alavanque de parcerias; • Desenvolvimento de habilidades ONU; • Apoio a membros do Estado. Compromissos-chave:
  41. PL 2.630/2020 “PL das Fake News” o O Senado aprovou

    no dia 30 de junho; o Relatório já revisado por organizações da sociedade civil, pesquisadores e ativistas, mas ainda há problemas; o Sobretudo em relação à privacidade, a proteção de dados, ao acesso à Internet e a liberdade de expressão.
  42. A Coalizão Direitos na Rede – articulação que reúne mais

    de 40 organizações acadêmicas e da sociedade civil que atuam na defesa dos direitos digitais – propôs sugestões ao texto em discussão, em contribuição para a elaboração de uma lei efetiva e democrática para enfrentar o fenômeno da desinformação.
  43. 1. Escopo da Lei (Mecanismos de busca, plataformas e racionalização

    dos fins econômicos) 2. Identificação de usuários (Vai contra preceitos constitucionais e contra a Lei Geral de Proteção de Dados) 3. Rastreabilidade (Requerimentos abusivos de informações pessoais e para as plataformas) 4. Liberdade de expressão dos usuários (A decisão estaria majoritariamente nas mãos das plataformas) 5. Relatórios de transparência (Transparências nos processos de moderação e publicidade) 6. Impulsionamento e publicidade (As plataformas devem garantir a identificação dos responsáveis) 7. Atuação do poder público (Ads nas redes sociais em campanhas eleitorais conste da prestação de contas) 8. Conselho de Transparência na Internet (Técnico e multissetorial para a implementação da lei) 9. Autorregulação regulada (Fortalecimento da ouvidoria prevista e papel dos órgãos) 10. Sanções (Aprimoramentos sobre as esferas de sanções) 11. Jurisdição (Reconhecimento da soberania e da jurisdição do país) 12. Exclusão digital (Exclusão do cidadão que não tem possui dois documentos) Propostas da CDR sobre a PL das Fake News | 01 de setembro de 2020 Tópicos problemáticos e sugestões da CDR:
  44. O PAPEL DAS PLATAFORMAS

  45. Internet e eleições no Brasil: diagnóstico e recomendações Relatório do

    InternetLab sobre as eleições de 2019/2020 A reinvenção do marketing político não desprezou ainda outro aspecto essencial da transformação no setor de mídia e publicidade: a coleta e o tratamento de dados pessoais. Essa foi a lógica por trás da atuação da Cambridge Analytica, empresa que ofereceu serviço fundamentado em modelagem psicométrica para campanhas políticas, customizando mensagens de marketing a partir da personalidade dos indivíduos visados pelas Campanhas [...] A Cambridge Analytica foi contratada por duas campanhas políticas de grande porte vitoriosas, a de Donald Trump e a pela saída do Reino Unido da União Europeia.
  46. ‘Santinhos’, memes e correntes: um estudo exploratório sobre spams recebidos

    por WhatsApp durante as eleições Relatório do Internet Lab sobre as eleições de 2018 Estaria o WhatsApp possibilitando a circulação de conteúdo de desinformação (incluindo notícias falsas) com potencial de influir no resultado das eleições? O caráter privado dessa ferramenta de comunicação, todavia, impõe restrições para a análise e compreensão do que efetivamente circulou durante as eleições via WhatsApp, da origem dessa comunicação (se orgânica ou oficial da campanha), e do impacto que ela possa ter tido.
  47. None
  48. o Conformidade jurídica; o Em 2017 a minirreforma eleitoral incluiu

    o “impulsionamento” como única forma permitida de propaganda eleitoral paga na internet, porém esse termo é vago; o Doação de banco de dados; o Mensagem em massa via Whatsapp e números estrangeiros. Mensagens em massa no Whatsapp
  49. ‘Santinhos’, memes e correntes: um estudo exploratório sobre spams recebidos

    por WhatsApp durante as eleições Relatório do InternetLab sobre as eleições de 2018 Sistemas de machine learning foram construídos para detectar comportamentos abusivos no momento do cadastro, a partir de padrões de envio de mensagem e comportamento na plataforma, e pelo acúmulo de denúncias de usuários. De acordo com a plataforma, cerca de dois milhões de contas foram banidas mensalmente por comportamento abusivo entre os meses de novembro/2018 e fevereiro/2019.
  50. Semanário InternetLab (acesse aqui)

  51. Semanário InternetLab (acesse aqui)

  52. Semanário InternetLab (acesse aqui)

  53. Semanário InternetLab (acesse aqui)

  54. Semanário InternetLab (acesse aqui)

  55. Semanário InternetLab (acesse aqui)

  56. Semanário InternetLab (acesse aqui)

  57. Semanário InternetLab (acesse aqui)

  58. Semanário InternetLab (acesse aqui)

  59. Whatsapp implementa atalho de busca

  60. Twitter questiona o usuário

  61. None
  62. Twitter cria novas regras contra propagação de ódio

  63. FACT-CHECKING CHECAGEM DOS FATOS

  64. International Fact Checking Network (IFCN) é uma rede organizada pelo

    Instituto Poynter, dos Estados Unidos, que reúne os principais sites de fact- checking do mundo.
  65. Em março de 2017, a International Fact-Checking Network (IFCN) lançou

    um processo para verificar a conformidade das organizações de fact- checking com seu código de princípios. Para tanto, os signatários foram avaliados em doze critérios diferentes, que incluem metodologia pública, listagem de financiadores e compartilhamento claro de fontes. Dezesseis meses após o estabelecimento do processo de verificação, ser signatário do código de princípios começou a ser considerado um distintivo que assegura maior confiabilidade por parte do público, pesquisadores, doadores e plataformas tecnológicas. Inclusive, o Facebook exige que seus parceiros de verificação de fatos sejam signatários verificados pela IFCN. (VETRITTI, 2019)
  66. None
  67. Checagem da Agência Lupa nas Eleições de 2018 (BERTOLDO &

    RIFFEL, 2019)
  68. CONTRANARRATIVAS EM REDE

  69. AGÊNCIA LUPA (clique para conhecer) Criada em 2015, a Lupa

    é a primeira agência de checagem do Brasil; Acompanha o noticiário de política, economia, cidade, cultura, educação, saúde e relações internacionais; Aplica a metodologia de checagem baseada em 8 passos para entender “quem fala”, “o que fala” e “que barulho faz”; Aplica a metodologia Lupa baseada em oito passos:
  70. METODOLOGIA AGÊNCIA LUPA Observação do que é dito; Seleciona a

    frase que pretende trabalhar; Levantamento de tudo o que já foi sobre o assunto; Consulta bases de dados oficiais; Consulta informações públicas; Se necessário solicita informações via LAI; Se necessário vai a campo; Pode recorrer a análises de especialistas para contextualização.
  71. ETIQUETAS AGÊNCIA LUPA

  72. ALGUMAS CHECAGENS

  73. None
  74. AOS FATOS (clique para conhecer) Fundada em julho de 2015,

    tem como objetivo "fiscalizar o poder"; Acompanham declarações de políticos e autoridades de expressão nacional, de diversas colorações partidárias; Aplicam metodologia baseada em 7 etapas:
  75. METODOLOGIA AOS FATOS Seleciona a informação a partir da relevância;

    Consulta quem divulgou a informação para checar a veracidade; Procura-se fontes de origem confiável; Se necessário, consulta fontes oficiais; Se necessário, consulta fontes alternativas; Contextualizam; Classificam a declaração em uma das sete categorias do Aos Fatos.
  76. CATEGORIAS AOS FATOS O emprego do selo VERDADEIRO é simples:

    a declaração ou a informação são condizentes com os fatos e não carecem de contextualização para se mostrarem corretas. O selo IMPRECISO só se aplica a declarações. Quando a afirmação recebe o selo IMPRECISO, significa que necessita de contexto para ser verdadeira. Ou seja, em alguns cenários, é possível que a declaração em questão não se aplique. O selo EXAGERADO só se aplica a declarações. É para quando elas não são totalmente falsas, mas estão quase lá. Um político disse que fez 100 mil creches, mas fez 80 mil? EXAGERADO.
  77. CATEGORIAS AOS FATOS O selo INSUSTENTÁVEL só se aplica a

    declarações. Serve àquelas cujas premissas não podem ser refutadas nem confirmadas. Ou seja, serve para quando não há fatos, dados ou qualquer informação consistente que sustentem a afirmação. O selo CONTRADITÓRIO é usado apenas em declarações, quando o conteúdo da declaração checada é objetivamente oposto ao de afirmações ou ações anteriores atribuídas à mesma pessoa ou instituição que ela representa. O selo DISTORCIDO é usado apenas para boatos e notícias com conteúdo enganoso. Serve para aqueles textos, imagens e áudios que trazem informações factualmente corretas, mas aplicadas com o intuito de confundir. Se uma afirmação ou uma notícia ou um boato têm informações sem qualquer amparo factual, eles recebem o selo FALSO. É simples. Basta que os dados disponíveis a contradigam de forma objetiva.
  78. ALGUMAS CHECAGENS

  79. None
  80. COMPROVA (clique para conhecer) Se definem como jornalismo colaborativo contra

    a desinformação; É uma iniciativa sem fins lucrativos; O projeto reúne jornalistas de 28 diferentes veículos de comunicação do Brasil; O objetivo é identificar e enfraquecer as técnicas de manipulação e disseminação de conteúdo enganoso; Verificam informações de sites, aplicativos de mensagens e redes sociais. Não checam comunicados oficiais ou afirmações públicas de políticos ou outras autoridades.
  81. METODOLOGIA COMPROVA Usam a metodologia da Checagem Cruzada (CrossCheck) que

    funciona nos seguintes passos: O jornalista colaborativo compartilha notas, experiências e passos de verificação; Três redações participantes revisam e validam os passos de validação e as conclusões obtidas; Um jornalista ou editor do Comprova escreve o relato para o site explicando os passos de checagem e o contexto.
  82. ETIQUETAS COMPROVA

  83. ALGUMAS CHECAGENS

  84. None
  85. FATO OU BOATO (clique para conhecer) • Coalizão de checagem

    de fatos sobre o processo eleitoral. • A iniciativa integra o Programa de Enfrentamento a Desinformação nas Eleições 2020, que atualmente mobiliza mais de 50 instituições, entre partidos políticos e entidades públicas e privadas, para enfrentar os efeitos negativos provocados pela desinformação relacionada à democracia.
  86. None
  87. REDES CORDIAIS (clique para conhecer) Projeto de educação midiática para

    comunicadores e influencers; O foco é em gerar e disseminar conhecimento e diálogo sobre a desinformação; Os workshops propõe que as redes sociais sejam usadas para aproximar, informar, discussão de liberdades e responsabilidades civis, como evitar o compartilhamento de notícias falsas e comunicação não violenta.
  88. CONTEÚDOS REDES CORDIAIS

  89. CONTEÚDOS REDES CORDIAIS

  90. SLEEPING GIANTS Br (clique para conhecer)

  91. SLEEPING GIANTS Br (clique para conhecer)

  92. None
  93. Social Media Analysis Toolkit (SMAT) (clique para conhecer)

  94. Social Media Analysis Toolkit (SMAT) (clique para conhecer)

  95. Social Media Analysis Toolkit (SMAT) (clique para conhecer)

  96. Social Media Analysis Toolkit (SMAT) (clique para conhecer)

  97. Social Media Analysis Toolkit (SMAT) (clique para conhecer)

  98. Disinformation Tracker (clique para conhecer) Mapa interativo para apoiar os

    defensores dos direitos humanos na África Subsaariana, rastreando e analisando todas as leis, políticas e outras ações governamentais à desinformação.
  99. None
  100. Guia para Influenciadores Digitais (clique para conhecer) Pensando em esclarecer

    essas regras e ajudar os influenciadores a entenderem seu papel e responsabilidades no pleito eleitoral, o InternetLab e o Redes Cordiais lançam o Guia para influenciadores digitais nas eleições 2020, que traz luz a esta questão, expondo qual a relação dos influenciadores com o debate político-eleitoral e quais os princípios que devem ser levados em conta para participar de campanhas eleitorais.
  101. Guia para Influenciadores Digitais (clique para conhecer)

  102. Podcast Tecnopolítica (clique para conhecer)

  103. Podcast Rádio na Mão (clique para conhecer)

  104. HUB DE RELATÓRIOS AVAAZ

  105. AVAAZ | CINCO PRINCÍPIOS JURÍDICOS

  106. GABI OLIVEIRA | DE PRETAS Série sobre Fake News em

    parceria com o Avaaz A Gabi Oliveira é youtuber no canal De Pretas e lançou uma série de vídeos sobre desinformação em parceria com a Avaaz. Os vídeos tratam de como notícias falsas desarticulam o movimento negro, sobre o assassinato de Marielle Franco, assassinato do jovem Marcus Vinicius, o caso do Caio Revela que sofreu fake News motivada por gordofobia e o caso da jornalista Bianca Santana que é alvo de fake news pelo presidente eleito.
  107. DE QUE FORMA CONTRIBUIR?

  108. Pesquisar o título da matéria entre aspas e também na

    aba de Notícia; Leia o texto, além da manchete; Observe o endereço (URL); Leia outras notícias do mesmo site; Observe se há erros de ortografia; Verifique se a matéria é assinada; Acompanhar as Agências de Checagem; Consultar a Transparência Ativa; Seguir jornalistas e pesquisadores nas redes sociais; Compartilhar e produzir conteúdo educativo; Pressionar as plataformas; NÃO COMPARTILHE DESINFORMAÇÃO E DISCURSO DE ÓDIO.
  109. PARTILHA

  110. Recados: Referências: http://bit.ly/RefOficinaTais Para receber o certificado, favor preencher o

    form: http://bit.ly/AvaliacaoECertificado
  111. Gostou da oficina? Acesse o calendário e se inscreva nas

    próximas: www.prefeitura.sp.gov.br/agentesdegovernoaberto Quer agendar oficinas? Entre em contato com a Supervisão para Assuntos de Governo Aberto agentegovernoaberto@prefeitura.sp.gov.br