Upgrade to Pro — share decks privately, control downloads, hide ads and more …

Apresentação no Encuentro Latinoamericano de Diseño Palermo 2008

Apresentação no Encuentro Latinoamericano de Diseño Palermo 2008

35f0a285fbf11a7155bb23695c5a270e?s=128

Eduardo Cuducos

July 29, 2008
Tweet

Transcript

  1. Introdução à Sociologia do consumo Eduardo “Cuducos” NUSMER • CFH

    • UFSC
  2. Sociologia do consumo

  3. Sociologia do consumo para designers

  4. Forma segue a função

  5. Forma segue a função + É a cultura que constitui

    utilidade
  6. Foto: Brian Snelson

  7. Foto: Clístenes Cardoso e Cristianne Haydée

  8. 1997 Troller 1998 Land Rover 1999 Adventure, EcoSport, CrossFox 2005

    Celta Off-road, Fiesta Trail 2007 Todos ainda são fabricados
  9. None
  10. None
  11. Foto: Dalton Ramos

  12. Foto: $mok3y

  13. Foto: Rodrigo Vieira Soares

  14. Autênticos fora-da-estrada “Espírito aventureiro” Pseudo-fora-da-estrada

  15. Pneus de uso misto Suspensão reforçada Altura elevada Estribo Quebra-mato

    Etc...
  16. Pneus de uso misto Suspensão reforçada Altura elevada Estribo Quebra-mato

    Etc... Off-road ?
  17. O que esses consumidores buscam nesse ramo de automóveis, já

    que ou compram um fora-da-estrada que não vão usar “fora da estrada” ou compram um carro que apenas parece um fora-da-estrada?
  18. Forma segue a função Uso off-road

  19. Forma segue a função Uso off-road x É a cultura

    que constitui utilidade Estética off-road
  20. Forma segue a função Uso off-road x É a cultura

    que constitui utilidade Estética off-road Forma segue a cultura
  21. Forma segue a função Uso off-road

  22. Forma segue a função Uso off-road x É a cultura

    que constitui utilidade Estética off-road
  23. Forma segue a função Uso off-road x É a cultura

    que constitui utilidade Estética off-road Forma segue a cultura
  24. O que nós aprendemos com os estudos acadêmicos sobre o

    consumo não é que a cultura material é boa ou má para as pessoas. Ao invés disso nós aprendemos que as pessoas se dedicam em esforço constante para criar relacionamentos com coisas e com pessoas, e há muito a ganhar com a documentação compreensiva desses esforços. Daniel Miller
  25. Homem racional Atividade racional Interesses Maximização meio-fins Interesses e cálculos

  26. Homem racional Atividade racional Interesses Maximização meio-fins Interesses e cálculos

    Utilitarismo
  27. Homem racional Atividade racional Interesses Maximização meio-fins Interesses e cálculos

    Utilitarismo Homo oeconomicus
  28. Homo oeconomicus

  29. Homo oeconomicus não-histórico não-social intercambiável

  30. Mercado

  31. Mercado Interesses individuais

  32. Mercado Interesses individuais Relação socializadora

  33. “Disputa em relação à apropriação dos meios de distinção simbólica”

    Colin Campbell
  34. Inlclusão/exclusão de grupos. Mary Douglas & Baron Isherwood Processo psico-social.

    Colin Campbell Utilidade vem da significação social. Marshall Sahlins
  35. Escolha partindo dos indivíduos. Pierre Bourdieu X “Síndrome consumista” Zygmunt

    Bauman
  36. Cálculo com base nos capitais reconhecidos Teoria dos campos Pierre

    Bourdieu X Consumismo moderno puramente emocional Teoria individualista Colin Campbell
  37. “As decisões são somente escolhas entre possíveis definidos pela estrutura

    do campo.” “Levar em conta a estrutura do campo e seus efeitos não leva de modo algum a anular a liberdade de jogo dos agentes.” Pierre Bourdieu
  38. Escolha/gosto/classe Pierre Bourdieu X Escolha/identidade Mary Douglas & Baron Isherwood

  39. Profissionais de criação não criam novidades, apenas “percebem” tendências. Elaine

    Norberto X “A forma é a mensagem.” Kalle Lasn
  40. “O design espelha a condição cultural na qual e para

    qual foi concebido ao mesmo tempo em que contribui para produzir, realimentar ou transformar esta mesma condição cultural.” André Villas-Boas
  41. Muito obrigado!

  42. www.meiaduzia.com.br/cuducos/palermo2008 www.meiaduzia.com.br/cuducos/projeto www.meiaduzia.com.br/cultura Muito obrigado! cuducos@gmail.com

  43. None
  44. Referências bibliográficas BAUMAN, Zygmunt. Consumidores em la sociedad moderna líquida.

    In: _____. Vida líquida. Barcelona: Paidos, 2006. BOURDIEU, Pierre. É possível um ato desinteressado? In: _____. Razões práticas: sobre a teoria da ação. Campinas: Papirus, 1996. _____. O campo econômico. Política & sociedade, abr. 2005, n. 6. CAMPBELL, Colin. On understanding modern consumerism and misunderstanding the Romantic ethic thesis: a reply to Boden and Williams. Sociology, nov. 2003, v. 37, n. 4. _____. Eu compro, logo sei que existo: as bases metafísicas do consumo moderno. In: BARBOSA, Lívia; CAMPBELL, Colin (org). Cultura, consumo e identidade. Rio de Janeiro: Editora da FGV, 2006. DOUGLAS, Mary; ISHERWOOD, Baron. O mundo dos bens: para uma antropologia do consumo. Rio de Janeiro: Editora da UFRJ, 2004. LASN, Kalle. The future of design. In: TYPO, 2006, Berlin. Disponível em: <http://www.typovideo.de/index.php? node_id=9&lang_id=1&scope=front&ds_target_id=56>. Acesso em: 10 jul. 2007. MILLER, Daniel. The poverty of morality. Journal of consumer culture, nov. 2001, n. 1, v. 2. NORBERTO, Elaine. Estratégias corporativas de marcas e estratégias sociais de diferenciação: uma análise a partir do automóvel. Tempo social, nov. 2004, v. 16, n. 2. SAHLINS, Marshall. Cultura e razão prática. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2003. VILLAS-BOAS, André. Identidade e cultura. Rio de Janeiro: 2ab, 2002.