Upgrade to Pro — share decks privately, control downloads, hide ads and more …

Adoção Ágil: relato de experiência de 2 times distribuídos

Adoção Ágil: relato de experiência de 2 times distribuídos

Apresentação realizada no Agile Brazil 2019, ocorrida em Belo Horizonte, Set/2019.

5659853d6c105644c6521dbf7586baef?s=128

Frederico Oliveira

September 10, 2019
Tweet

Transcript

  1. Frederico Oliveira f.oliveira@sidi.org.br Adoção Ágil: relato de experiência de 2

    times distribuídos Tiago Vidal tcv@cin.ufpe.br
  2. Coord. Projetos (SiDi) “Uai sô, sou MINEIRÊS!” Graduado e Mestre

    em Engenharia de Computação; Pós-graduações em Gestão de Projetos e Eng. de Software; SCM, ICAgile e Management 3.0; Palestrante: Agile Conference USA 2015, Agile Brazil, Agile Trends, Scrum Gathering, Caipira Ágil, TDC’s São Paulo, Porto Alegre e Florianópolis; Professor MBA FIAP-São Paulo. Gerente de Projetos (UFPE) Graduado em Sistemas de Informação, Mestre em Ciência da Computação; Pós- graduações em Gestão de Projetos e Eng. De Software. MBA em Gestão de TI; SCM e Management 3.0. Nos últimos 10 anos a frente na formação, liderança e alavancagem de times de dev. Tenho como motivação desenvolver pessoas, identificar e trabalhar em oportunidades de melhoria.
  3. CONFIDENTIAL “ADOÇÃO e TRANSFORMAÇÃO são totalmente diferentes. Uma ADOÇÃO muda

    o que se faz, uma TRANSFORMAÇÃO, muda quem se é.” Jurgen Appelo
  4. Contexto

  5. A Model for Thinking about Organizational Change http://agilitrix.com/2012/11/tactics-strategy-culture/

  6. CUSTOMER FOCUS

  7. Customer Journey https://cdn2.hubspot.net/hubfs/3791487/Customer%20Journey%20Map/Customer_Journey_Map_Template_Qualaroo.pdf https://vimeo.com/106236408

  8. User Journey Technician Open the app Fill out OS number

    Upload report in system ‘Y’ Takes pictures Sign digitally
  9. User Stories Descrição concisa de uma necessidade sob o ponto

    de vista do usuário do produto; “Essa História agrega valor para o usuário?” 3 C’s (Jeffries, 2001) Cartão Conversação Confirmação https://speakerdeck.com/fredericooliveira/antipadroes-para-historias-de-usuario-o-que-evitar
  10. Priorização https://www.synergia.dcc.ufmg.br/definindo-prioridade-das-historias-utilizando-o-quadro-esforco-x-valor/

  11. Visão do projeto para o Cliente

  12. Antecipações das validações pelo Cliente 1. Protótipo navegável; 2. Snapshots

    durante o ciclo de desenvolvimento.
  13. https://www.infoq.com/news/2019/07/customer-focused-teams/

  14. PROCESS

  15. https://www.bricksapp.io/blog/kanban-scrum-scrumban/

  16. Fluxo de Trabalho

  17. 1. “Feature Acceptance” através dos cenários de testes; 2. Alinhamento

    de expectativas entre UFPE e SiDi; 3. Favoreceu vazão do workflow; 4. Melhorou a comunicação interna UFPE (Dev e Testes) e SiDi. Definição de Feito
  18. Gatekeepers 1. Features não avançam caso não cumpram requisitos de

    aceitação de cada etapa; 2. Auxiliaram na melhoria da qualidade do produto entregue para equipe de testes e consequentemente para a Samsung; 3. Possibilitaram melhor vazão no fluxo de trabalho.
  19. Classes de Serviço Mapear situações que acontecem nos projetos e

    ajudar o time a tomar decisões no dia a dia do projeto;
  20. CFD Mesmo projeto, 1 ano depois...

  21. Histograma Mesmo projeto, 1 ano depois...

  22. Outras Métricas 0 100 200 300 400 500 600 700

    800 900 0 5 10 15 20 25 30 35 40 SP#1 V1 SP#2 V1 SP#3 V1 SP#4 V1 SP#5 V1 V1.1 V1.2 V2.0 V3.0 V3.1 Points x Sprint Days Estimated Points Actual Points Sprint Days (DEV + TST) Points by day 0 5 10 15 20 25 30 35 40 45 50 SP#1 V1 SP#2 V1 SP#3 V1 SP#4 V1 SP#5 V1 V1.1 V1.2 V2.0 V3.0 V3.1 Working Days Lead Time Analysis Planning Sprint SIDI Validation Lead Time
  23. DevOps 1. Adoção da cultura DevOps através da inclusão de

    práticas; 2. Aproximação times Dev e Ops; 3. Participação em dailies, breakdown, discussões técnicas, retrospectivas, etc. 4. Ferramentas e adoções de práticas: integração contínua, deploy contínuo, IaC (CloudFormation), etc.
  24. COMMUNICATION

  25. Desafios 1. Distância física;

  26. Desafios 2. Múltiplos stakeholders, perfis variados; 3. Disponibilidade; 4. Ruídos

    (“disse e não disse”).
  27. Comunicação Remota 1. Não deixe mensagens sem serem respondidas; 2.

    Tenha chats separados para conversas informais; 3. Aprenda mais sobre a cultura de cada região; 4. Use ferramentas de agendamento para organizar reuniões; 5. Celebre quando algo relevante aconteça.
  28. None
  29. Transparência 1. Não crie obstáculos para a comunicação entre os

    times técnicos: somente facilite caso precise; 2. Descubra o canal de comunicação que você consiga ter uma maior facilidade de contato com seus stakeholders; 3. Não tenha medo de exposição das fraquezas. Fale a verdade!
  30. Transparência 4. Local único para armazenamento das informações do projeto.

  31. QUALITY

  32. BUG “ZERO” Sem bugs críticos. CICLOS “PRONTOS” Produção!

  33. Testes 1. Automação de testes ; 2. Melhoria do nível

    dos testes de desenvolvimento (units, API, cenários de testes); 3. Execução de testes durante o desenvolvimento das features; https://martinfowler.com/articles/practical-test-pyramid.html
  34. Testes 4. Aumento da sinergia e integração entre Devs e

    Testers; 5. Destaques de bugs mais críticos, especialmente aqueles que afetam a aceitação da feature; 6. Estratégias adotadas: feature, integração, validação UI/UX, exploratório, segurança, desempenho.
  35. PEOPLE

  36. Ownership e Engajamento 1. Desenvolvimento do sentimento de “dono” do

    produto; 2. Responsabilização de cada colaborador pelo produto em todas as etapas do processo; 3. Aumento da sinergia do time e colaboração entre múltiplas visões acerca dos problemas e desafios;
  37. Título

  38. Ownership e Engajamento 4. Aumento do engajamento do time devido

    à autonomia concedida (decisões compartilhadas). 5. Dar visibilidade ao time das pequenas conquistas e resultados alcançados com práticas adotadas (dados, feedback cliente, etc)
  39. None
  40. None
  41. Gestão de pessoas 1. Personal Maps; 2. Kudocards; 3. Feedback

    constante; 4. Sessões One-on-One; 5. Celebrações; 6. Happy hours; 7. Inquietação pela melhoria constante (ex.: fullstack developer). 8. Abertura à sugestões / críticas; 9. Gerenciamento e preservação do sistema / clima.
  42. None
  43. Fullstack team building (em andamento) 1. Remoção de filas ou

    diminição do tempo em “Ready for Integration” e “Under Integration”; 2. Desenvolvimento ponta-a-ponta; 3. Coaching técnico individual.
  44. CONCLUSÕES

  45. 12 itens chave de sucesso 1. Foco na eficácia (fazer

    o que precisa ser feito); 2. Mapeamento e visibilidade do fluxo: visão sistêmica/crítica; 3. Definition of Done de acordo com o contexto/domínio (não copiando modelos prontos), eliminando subjetividade de aceitação; 4. Definição de gatekeepers; 5. Validações frequentes das features durante o ciclo; 6. Automação de testes;
  46. 12 itens chave de sucesso 7. Uso de controles com

    visões complementares de monitoramento (Trello, Burndown e JIRA); 8. Implantação de cultura DevOps (iniciando com práticas); 9. Uso de Decision Logs para trackear decisões mais importantes de projeto; 10. Empoderamento do time; 11. Ações de teambuild (Management 3.0); 12. Exercício da empatia (dores UFPE x dores SIDI x dores Samsung) – Transparência!
  47. https://www.hypeness.com.br/2019/04/a-primeira-estrada-feita-a-partir-de-residuos-de-plastico-foi-inaugurada-nos-eua/

  48. THANKS! Any questions? Frederico Oliveira Tiago Vidal