Upgrade to Pro — share decks privately, control downloads, hide ads and more …

Palestra no Megafônicas Floripa 2008

Palestra no Megafônicas Floripa 2008

35f0a285fbf11a7155bb23695c5a270e?s=128

Eduardo Cuducos

April 12, 2008
Tweet

Transcript

  1. Megafônicas Floripa 2008 Qual é sua educação?

  2. Quanto mais a gente se expõe, mais possibilidades existem de

    tirar proveito da discussão. Pierre Bourdieu
  3. A formação em Design capacita profissionais para estruturar, desenvolver, projetar

    e implementar produtos gráficos individualizados ou articulados em sistemas de identidade visual. Site Curso de Design/UFSC
  4. O Bacharel em Design estará preparado, a partir de uma

    visão de gestor, para participar efetivamente em atividades profissionais, possibilitando desta forma uma abertura de um campo maior de opções. Site Barddal
  5. Aptos a desenvolverem projetos de sistemas de informações visuais, sistemas

    integrados de produtos, que respondam às necessidades do mercado; consoantes com os desejos, as características, o contexto sócio- econômico e cultural dos usuários. Site UNISUL
  6. As decisões são baseadas no conhecimento do ser humano, das

    artes e da tecnologia, de modo que disponibilize à sociedade produtos mais baratos e com melhores qualidades ambientais, mais eficiência, amigabilidade e beleza. Site CEFET/SC
  7. O design é uma atividade que busca soluções para problemas

    específicos, tendo o ser humano como figura mais importante em sua abordagem. Site do CEART/UDESC
  8. Como? Conteúdo Forma Disciplinas Conteúdos Técnicas Como se pensa o

    campo Epistemologia Objetividade Subjetividade
  9. Tradições acríticas “Tese do Sydney” Reprodutivismo Espontaneísmo Pseudo-ativismo Consuetudinarismo

  10. Espontaneísmo Pseudo-ativismo Consuetudinarismo Avessos á ciência E o reprodutivismo?

  11. None
  12. None
  13. None
  14. None
  15. None
  16. Modernidade x Modernismo Período histórico a partir do final do

    século XVIII Esforço para validação cultural de doutrinas estéticas específicas Fenômeno histórico impessoal Adesão facultativa pessoal
  17. Crítica ao modernismo: Um modo, de cem anos de idade,

    de responder ao mundo. Natalia Ilyin
  18. Crítica à modernidade: Desconfiança da possibilidade de “inventar” o homem

    a partir do nada, sem elos e sem lar. Hannah Arendt
  19. Metáfora da Perspectiva como Origem da ciência Evelyn Fox Keller

  20. Racionalidade Abolição do observador Descartes Ciência: processo de elisão da

    subjetividade
  21. As decisões são baseadas no conhecimento do ser humano, das

    artes e da tecnologia, de modo que disponibilize à sociedade produtos mais baratos e com melhores qualidades ambientais, mais eficiência, amigabilidade e beleza. Site CEFET/SC
  22. O design é uma atividade que busca soluções para problemas

    específicos, tendo o ser humano como figura mais importante em sua abordagem. Site do CEART/UDESC
  23. É possível um teoria científica (portanto, objetiva) de design que

    admita as subjetividades humanas? Como?
  24. Teoria do design Quadro teórico Metodologia Técnica Aplicação de outras

    teorias Modelo de análise para um fenômeno humano x
  25. O crescimento da ciência e o declínio da religião deixou

    uma lacuna, na qual o conforto psicológico costumava estar. Natalia Ilyin
  26. Amor e medo. Freud dizia que eles eram as duas

    coisas que levavam a ação. Bucket of love x Bucket of fear Natalia Ilyin
  27. Do lado do amor Dessa lado se celebra o mundo,

    suas belezas e seu conforto.
  28. Do lado do medo Dessa lado não há satisfação com

    o mundo. A vida é uma luta agoniante que tenta construir um mundo mais coeso e seguro.
  29. Então, qual é o seu balde? Muito obrigado! cuducos@gmail.com

  30. Bibliografia BERTEN, A. A política do bem comum e da

    vida boa: a tradição aristotélica. In: _____. Filosofia política. São Paulo: Paulus, 2004. BOURDIEU, Pierre. Introdução a uma sociologia reflexiva. In: _____. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand, 2004. CARDOSO, Rafael. Introdução. In: _____ (org.). O design brasileiro antes do design: aspectos da história gráfica, 1870-1960. São Paulo: Cosac-Naify, 2005. FREITAS, Sydney Fernandes de. 1998. A influência das tradições acríticas no processo de estruturação do ensino/pesquisa de design. Rio de Janeiro: Tese (Doutorado). Coordenação dos Programas de Pós-Graduação de Engenharia (COPPE). Universidade Federal do Rio de Janeiro. ILYIN, Natalia. Chasing the perfect: thoughts on modernist design in our time. Nova Iorque: Metropolis, 2006. KELLER, Evelyn Fox. O paradoxo da subjetividade científica. In: SCHNITMAN, Dora Fried. Novos paradigmas, cultura e subjetividade. Porto Alegre: Artes Médicas, 1996. VILLAS-BOAS, André. Sobre a efetividade de uma teoria do design a partir das sociedades periféricas. 3º Congresso Internacional de Pesquisa em Design, Rio de Janeiro, 2005. Palestra.