Nabil Bonduki: Revisão do Plano Diretor

Nabil Bonduki: Revisão do Plano Diretor

B35766ddfaad05d28606eb6080ac7a44?s=128

Escola da Cidade

April 04, 2014
Tweet

Transcript

  1. PL  Nº  688/2013   REVISÃO  DO  PLANO   DIRETOR  ESTRATÉGICO

      20/março/2014  |  Conselho  da  CIdade   COMISSÃO  DE  POLÍTICA  URBANA   METROPOLITANA  E  MEIO  AMBIENTE   Relator  Vereador  Nabil  Bonduki  
  2. Linha  do  tempo  do  PDE  (PL  688)  na  CMSP  

    26/set/13   Entrada   do  PL   24/out/13   Outubro/dezembro   2014     Tramitação  do  PDE  na   Comissão  de  PolíQca   Urbana:  45  audiências   públicas     (4  Macrorregionais,     10  temáQcas  e     31  nas  subprefeituras)   Tramitação   do  PDE     na  Comissão   de   ConsQtuição   e  JusQça   Janeiro-­‐ março   2014   SistemaQzação   das   contribuições  e   elaboração     do  SubsQtuQvo     Consulta  pública  e  contribuições  pelo  hotsite  do  PDE/CMSP   Março/ Abril   2014   Debate  do     SubsQtuQvo     e  votação   19/dez./13  
  3. Meios  de  divulgação  da  1ª  Etapa  do      

    processo  parQcipaQvo   •  Rádio                      390  inserções   •  Mídia  impressa                    65  inserções  em  grandes  jornais   •  Peças  na  televisão  aberta                  111  inserções  em  horário  nobre   •  Banners  na  internet                  43  milhões   •  Informe  em  ônibus  e  metrô   •  Site  da  CMSP  
  4. Divulgação  do  processo  parQcipaQvo:    

  5. Divulgação  pelo  site  da  CMSP  e  pelo   www.camara.sp.gov.br/planodiretor  

  6. SESC  Pinheiros  -­‐  30/nov/13  

  7. None
  8. CMSP  -­‐  31/out/2013  

  9. CEU  Vila  Rubi  -­‐  23/nov/2013  

  10. 1ª  Etapa  do  processo  parQcipaQvo   45  audiências  públicas  

    •  3.410  parScipantes  assinaram  a  lista  de  presença;   •  724  contribuições  através  de  falas;   •  240  documentos  protocolados  nas  audiências   • 134  documentos  protocolados  na  CPUMMA  fora  das   audiências  públicas     • Número  de  acessos  do  site  da  Câmara:  46.123   •   Visitantes  unicos  (por  IP):  39.408   Das  724  contribuições  através  de  falas:   •  331  vieram  da  sociedade  civil  organizada  (Movimentos   sociais,  Associações  e  Conselheiros);   •  155  do  Poder  Público  (execuSvo  e  legislaSvo);   •  50  de  enSdades  profissionais  e  acadêmicas;   •  181  de  munícipes;  
  11. PARTICIPAÇÃO  PELO  SITE   www.camara.sp.gov.br/planodiretor   •   Número  de  acessos

     do  site  da  Câmara:  46.123   •   Visitantes  unicos  (por  IP):  39.408   •   Páginas  visualizadas:  77.207   •  Pico  de  acesso  em  1  dia:  2.123  visitas  
  12. Formas  de  entradas  das  contribuições     Documentos  protocolados  

    Audiências  públicas:  escritos  e  falas   Portal  Eletrônico  da  Câmara   Envio  de  cartas  prépostadas   Propostas  dos  vereadores   Contribuições  do  execuQvo  
  13. 4.  SISTEMATIZAÇÃO  E  RESUMO  DAS   CONTRIBUIÇÕES  DAS  AUDIENCIAS  

    PÚBLICAS  E  OUTRAS  ENTRADAS  
  14. SistemaQzação  das  contribuições:   Diversas  fontes  de  entrada  

  15. •  Questões  de  formato  e  conteúdo  da  lei  do  Plano

     Diretor     •  Temas  analisados:   I.  Macrozonas;   II.  Macroáreas;   III.  Eixo  de  Estruturação  da  Transformação  Urbana;   IV.  Instrumentos;   V.  Habitação     VI.  Questões  ambientais;   VII.  Patrimônio  histórico/  Preservação  cultural;   VIII. Mobilidade;   IX.  Desenvolvimento  econômico;   X.  Gestão  DemocráSca   CONTEÚDOS  TRATADOS  NAS     AUDIÊNCIAS  PÚBLICAS  
  16. Resumo  das  contribuições   Audiências  públicas  nas  subprefeituras   18%

      17%   10%   14%   9%   6%   5%   6%   4%   5%   5%   1%  0%   HABITAÇÃO   MOBILIDADE  /  SISTEMA  VIÁRIO   EQUIPAMENTOS  PÚBLICOS/  POLÍTICAS  SOCIAIS   MEIO  AMBIENTE/  RURAL   SISTEMA  MUNICIPAL  DE  PLANEJAMENTO   URBANO  /  PLANOS  REGIONAIS/  PARTICIPAÇÃO   PROCESSO  DE  REVISÃO  DO  PDE   DESENVOLVIMENTO  ECONÔMICO/  INCENTIVOS   INSTRUMENTOS  E  PARÂMETROS  URBANÍSTICOS   EIXOS  DE  ESTRUTURAÇÃO   INFRAESTRUTURA   ZONEAMENTO   MACROZONAS  /  MACROÁREAS   PATRIMÔNIO  HISTÓRICO  
  17. LESTE  (12  AP)   Resumo  das  contribuições     por

     macrorregião   SUL  (9  AP)   CENTRO-­‐OESTE  (5  AP)   NORTE  (7  AP)   HABITAÇÃO   MOBILIDADE  /  SISTEMA  VIÁRIO   EQUIPAMENTOS  PÚBLICOS/  POLÍTICAS  SOCIAIS   MEIO  AMBIENTE/  RURAL   SISTEMA  MUNICIPAL  DE  PLANEJAMENTO   URBANO  /  PLANOS  REGIONAIS/  PARTICIPAÇÃO   PROCESSO  DE  REVISÃO  DO  PDE   DESENVOLVIMENTO  ECONÔMICO/  INCENTIVOS   INSTRUMENTOS  E  PARÂMETROS  URBANÍSTICOS   EIXOS  DE  ESTRUTURAÇÃO   INFRAESTRUTURA   ZONEAMENTO   MACROZONAS  /  MACROÁREAS   PATRIMÔNIO  HISTÓRICO   21%   17%   15%   14%   8%   5%   5%   4%   4%   3%   2%   1%   1%   23%   11%   9%   14%   8%   6%   9%   6%   3%   5%   4%   3%   0%   12%   14%   7%   14%   11%   8%   2%   12%   7%   6%   7%  0%   0%   15%   24%   11%   13%   10%   4%   6%   3%   2%   7%   4%   1%   0%  
  18. SistemaQzação  das  contribuições:     Mapa  de  propostas  territorializáveis  

  19. 5.  DESAFIOS  PARA  SÃO  PAULO  NO  SÉCULO  XXI:   OBJETIVOS

     ESTRATÉGICOS  QUE  ORIENTAM  O  PDE    
  20. Desafios  para  São  Paulo  no  Século  XXI   •  Reduzir

     a  desigualdade  socioterritorial   •  Conter  o  processo  de  expansão  horizontal     •  Reduzir  a  necessidade  de  deslocamento,  aproximando  o   emprego  da  moradia;     •  Produzir  habitação  social  e  de  mercado  popular  em  áreas   bem  localizadas   •  Reestruturar  a  mobilidade  urbana,  esSmulando  o  transporte   coleSvo  com  energia  limpa,  a  bicicleta  e  práSca  de  andar  a   pé,  racionalizando  o  uso  de  automóvel;   •  Dirigir  o  adensamento  construQvo  e  populacional  para  as   áreas  bem  servidas  de  infraestrutura,  de  forma  planejada  e   sustentável;  
  21. •  Planejar  a  reestruturação  das  áreas  subuQlizadas  ao  longo  da

      orla  ferroviária  e  dos  rios  e  anSgas  áreas  industriais     •  Gerar  oportunidades  de  trabalho  e  renda  nas  áreas  periféricas   •  Regularizar,  urbanizar  e  qualificar  loteamentos  irregulares  e   favelas,     •  Proteger  as  áreas  verdes,  fundos  de  vale,  APPs  urbanas  e  áreas   de  preservação  ambiental  e  incenSvar  a  zona  rural   •  Valorizar  e  qualificar  os  espaços  públicos,  ampliar  as  áreas   verdes,  a  arborização  e  a  permeabilidade  do  solo;   •  Regulamentar  instrumentos  para  conter  a  especulação  com   terra  e  imóveis  ociosos  e  ordenar  o  imobiliário  de  acordo  com   os  objeSvos  do  planejamento  da  cidade.   Desafios  para  São  Paulo  no  Século  XXI  
  22. 2000 1960 1940 1950 1970 1980 1990 Expansão da mancha

    urbana Região Metropolitana de São Paulo Desafio:  conter  a  expansão  horizontal  
  23. Desafio:  reduzir  as  desigualdades  sociais  

  24. Desafio:  aproximar  emprego  e  moradia   NORTE:   Moradores  19,8%

      empregos:  10,8%   LESTE:   Moradores  32,6%   empregos:  9,8%   CENTRO  EXPANDIDO:   Moradores  20,7%   empregos:  68,6%   SUL:   Moradores  26,7%   empregos:  10,7%  
  25. Desafio:  promover  o  desenvolvimento  susten-­‐ tável    nas  áreas  de

     concentração  habitacional  
  26. Desafio:  planejar  a  reestruturaçao  das  áreas   subuQlizadas  

  27. Fonte:  Habisp   Elaboração:  Secretaria  de  Desenvolvimento  Urbano:  Departamento  de

     EstapsSca  e  Produção  de  Informação  |  Dipro   Localização  periférica  dos   assentamentos  precários   Loteamentos irregulares: 482.336 domicílios.   Favelas: 438.739 domicílios Total Assentamentos precários 921 mil domicílios   GaranQr  terra  urbanizada  e  bem  localizada   para  habitação  social  e  mercado  econômico    
  28. Desafio:  mudar  a  lógica  da  mobilidade  urbana  

  29. Desafio:  proteger  as  áreas  prestadoras  de   serviços  ambientais  no

     urbano  e  no  cinturão   verde  
  30. A  CIDADE  PROPOSTA  PELO  PDE  2014:  

  31. CONSTITUIÇÃO FEDERAL (1988) artigos 182 e 183 condicionam direito de

    propriedade à sua função social ESTATUTO DA CIDADE (2001) instrumentos para garantir cumprimento da função social da cidade PLANO DIRETOR DE S. PAULO (2002) indica e localiza no território os instrumentos do Estatuto da Cidade PLANO SETORIAIS HABITAÇÃO MOBILIDADE PLANO DE METAS LEIS ESPECÍFICAS regulamentam aplicação de cada instrumento definido no Plano Diretor Planos urbanísticos Operações Urbanas Planos de Bairros Planos de ZEIS PLANOS REGIONAIS DAS SUBPREFEITURAS (2004) LEI DE USO E OCUPAÇÃODO SOLO (2004) SISTEMA   MUNICIPAL  DE   PALNEJAMENTO   Lei  Orgânica  do   Município  
  32. •  Prioridade  para  o  transporte  coleQvo  e  não  motorizado  

      •  ArQculação  entre  mobilidade  e  uso  do  solo   •  Adensamento  populacional  ao  longo  dos  sistema  de  transporte   coleQvo  de  massa     •  Menor  adensamento  nos  miolos  (bairros  fora  dos  eixos)   •  Conter  a  expansão  horizontal  com  a  criação  de  alternaQvas   econômicas  na  zona  rural     •  EsQmular  a  moradia  onde  tem  muito  emprego   •  Criar  polos  de  desenvolvimento  econômico  nas  regiões  que   concentram  moradias   •  IncenQvar  a  implantação  de  parques  e  áreas  protegidas   A  CIDADE  PROPOSTA  PELO  PDE-­‐2014  
  33. •  Aplicação  de  instrumentos  urbanísQcos  para   regular  o  processo

     urbano   •  Criando  programas  públicos,  como  habitação,   transportes,  meio  ambiente  etc.   •  Execução  de  projetos  e  obras     •  Espacialização  dos  instrumentos  de  uso  e   ocupação  do  solo  nos  legislação   complementar   COMO  ALCANÇAR  OS  OBJETIVOS  DO  PDE?  
  34. Social   Cultural   Imobiliário   Econômico   Ambiental  

    As  dimensões  da   cidade  do  PDE    
  35. MACROÁREAS  

  36. MACROÁREA  DE  ESRUTURAÇÃO  MEROPOLITANA   Estruturar  urbana  com   planos

     urbanísQcos  
  37. MACROÁREA  URBANIZAÇAO  CONSOLIDADA   DesesQmular  as  aQvidades   não  residenciais

     e  esQmular   a  habitação    
  38. MACROÁREA  DE  QUALIFICAÇÃO  DA  URBANIZAÇÃO     Qualificação  urbanísQca,  produção

     de   habitação  e  esQmulo  a  usos  não   residenciais  
  39. MACROÁREA  DE  REDUÇÃO  DA  VULNERABILIDADE   Urbanizar,  regularizar,   implantar

      equipamentos  sociais  e   gerar  emprego    
  40. Macroárea  de  redução  da  vulnerabilidade  e   recuperação  ambiental  

    Regularizar  com   recuperação  ambiental  e   redução  de  desigualdade  
  41. Macroárea  de  controle  e  qualificação  urbana  e  ambiental   Controlar

     a  urbanização  com   qualificação  ambiental  
  42. Macroárea  de  contenção  urbana  e  uso  sustentáveis   Conter  a

     expansão  com   usos  sustentáveis,  como   o  desenvolvimento   sustentável  da  Zona   Rural    
  43. Macroárea  de  preservação  dos  ecossistemas   naturais   Proteção  integral

     dos   ecossistemas  
  44. Eixos  de  transformação  urbana   Eixos:   coeficiente   máximo

     4   Miolo  ainda   não   verQcalizado:   coeficiente   máximo  2     Gabarito  :  8   andares  +   térreo  
  45. Eixos  de  transformação  urbana   EIXOS  DA  TRANSFORMAÇÃO  URBANA  E

     SEUS  PARÂMETROS  DE   ADENSAMENTO  
  46. Eixos  de  transformação  urbana   •  Reestrturação  urbanisQca   • 

    Fachada  aQva  –  comercio  e  equipamentos  no  térreo   •  Fruição  no  térreo   •  Permeabilidade  e  ampliação  áreas  livres   •  Cota  media  máxima  de  80  metros  quadrados   •  Sem  obrigatoriedade  de  garagem  e  apenas  uma  garagem   não  computável  por  unidade   •  Es€mulo  a  HIS  ou  HMP      
  47. Função  social  da  propriedade   Propriedades  que  não  cumprem  sua

      função  social  são:     terrenos,  glebas  ou  imóveis  totalmente   desocupados,  ou  onde  o  coeficiente  de   aproveitamento  mínimo  não  tenha  sido   aSngido.     Nesses  casos,  aplicam-­‐se  os  seguintes   instrumentos:     •  parcelamento,  edificação  e  uSlização   compulsórios;   •  Imposto  Predial  e  Territorial  Urbano   progressivo  no  tempo;   •  desapropriação  com  pagamento  em   ptulos  da  dívida  pública  
  48. Jacu  Pêssego  e   Arco  Leste   Raimundo  e  

    Anhanguera   Cupecê  e   Jurubatuba     ESTRATÉGIAS  DE  DESENVOLVIMENTO  ECONÔMICO   SUSTENTÁVEL  
  49. Jacu  Pêssego  e   Arco  Leste   Raimundo  e  

    Anhanguera   Parque   Tecnológico   Jaguaré   Cupecê  e   Jurubatuba     Parque   Tecnológico   Leste   ESTRATÉGIAS  DE  DESENVOLVIMENTO  ECONÔMICO   SUSTENTÁVEL  
  50. Jacu  Pêssego  e   Arco  Leste   Raimundo  e  

    Anhanguera   Parque   Tecnológico   Jaguaré   Cupecê  e   Jurubatuba     Polo  de  economia   criaQva   ESTRATÉGIAS  DE  DESENVOLVIMENTO  ECONÔMICO   SUSTENTÁVEL  
  51. Jacu  Pêssego  e   Arco  Leste   Raimundo  e  

    Anhanguera   Parque   Tecnológico   Jaguaré   Cupecê  e   Jurubatuba     Polo  de  economia   criaQva   Desenvol-­‐ vimento   rural   ESTRATÉGIAS  DE  DESENVOLVIMENTO  ECONÔMICO   SUSTENTÁVEL  
  52. ÁREA  RURAL  NO  SUL  DO  MUNICIPIO   "  Conter  expansão

     urbana  no   sul  do  Município   "  Manutenção  e   fortalecimento  da   agroecologia   "  GaranSr  a  implantação  de   equipamentos  públicos  e   infraestrutura   "  Pagamento  por  serviços   ambientais:  produção  de   água,  proteção  da   biodiversidade,  regulação   climáSca    
  53. "  Abordagem  sistêmica  com   um  elementos  estruturador   da

     cidade   "  Ampliação  do  Sistema,   incluindo  Parques  e   Unidades  de  Conservação   Estaduais  e  Municipais  e   Terras  Indígenas.     "  Os  158  parques  propostos   serão  ZEPAM.  Hoje  apenas   68  o  são  e  poderão   transferir    o  direito  de   construir   Sistema  de  Áreas  Protegidas,     Áreas  Verdes  e  Espaços  Livres    
  54. "  Recuperação  da  rede  hìdrica     da  cidade  

        "  Tratamento  mais  rigoroso   das  áreas  de  preservação   permanente  urbanas.   "  Integração  de  ações  de   recuperação  ambiental,   saneamento,  drenagem,   adequação  viária  e   paisagismo  .     "  Implantação  de  parques   lineares   Programa  de  Recuperação  Ambiental  de   Fundos  de  Vale  
  55. Zonas  Especiais  de  Interesse  Social  -­‐  ZEIS   ZEIS  3

     –  HIS  e   HMP  em  áreas   bem  loclaizadas   ZEIS  2  –  HIS  e   HMP  em  áreas   vazias   ZEIS  1  –  Urbanização  e   regularização  de   assentamentos   ZEIS  4  –  HIS  para   recuperação  em   mananciais   ZEIS  5  –  desQnadas   ao  mercado  (HMP)  
  56. Revisão  do  %  mínimos  em  ZEIS  (Quadro  3)   QUADRO

     VIGENTE   QUADRO  PL   688/2013   PROPONENTE  1:   URBANISTAS/   MOVIMENTO  DE   MORADIA   PRPONENTE  2:   SECOVI   •  40%  HIS;   •  40%  HMP;   •  20%  outros  usos   •  30%  HIS  faixa  1;   •  20%  HIS  faixa  2;   •  50%  HMP  e   outros  usos   •  50%  de  HIS  Faixa   1;   •  25%  Faixa  2;   •  25%  outros  usos     priorizar  o   atendimento  da   Faixa  1  em  ZEIS2  e   ZEIS  3     •  manutenção  dos   percentuais   estabelecidos  no   quadro  da  Lei  em   vigor;   •  sem  alteração  das   faixas  de  renda   ZEIS  2,  3  e  4   ZEIS  5  
  57. Dimensão  social:  habitação  –  ZEIS  1  

  58. Dimensão  social:  habitação  –  ZEIS  2   ZEIS  2:  glebas

     ou   lotes  não  edificados   ou  subuQlizados,   adequados  à   urbanização  e  onde   haja  interesse   público  ou  privado   em  produzir   empreendimentos  de   habitação  de   interesse  social.  
  59. Dimensão  social:  habitação  –  ZEIS  3   ZEIS  3:  áreas

     com  ocupações   urbanas  deterioradas  e  imóveis   encorQçados  ou  glebas,  lotes  e   edificações  não  uQlizados  e   subuQlizados  e  localizados  em   regiões  dotadas  de  serviços,   equipamentos  e  infraestruturas   urbanas,  boa  oferta  de   empregos,  onde  haja  interesse   público  ou  privado  em  promover   empreendimentos  de  habitação   de  interesse  social.  
  60. Zonas  Especiais  de  Interesse  Social  –  ZEIS  3  

  61. Dimensão  social:  habitação  –  ZEIS  5   ZEIS  5:  áreas

     bem  dotadas  de   serviços,  equipamentos  e   infraestruturas  urbanas,  boa   oferta  de  empregos  e   caracterizadas  pela  presença   de  glebas  ou  lotes  não   edificados  ou  subuSlizados,   adequados  à  urbanização  e   onde  haja  interesse  público   ou  privado  em  produzir   empreendimentos   habitacionais  de  mercado   popular  e  de  interesse  social.  
  62. "  Todo  empreendimento  com  mais  de  20  mil  metros  

    quadrados  de  área  construída  computável  deve   (obrigatoriamente)  produzir  10%  a  mais  de  HIS,  que   não  serão  computável.   "  Com  menos  de  20  mil  m2  é  opcional.   "  Pode  produzir  no  local  do  empreendimento  ou  em   outro  local  na  mesma  macroárea.     "  No  caso  de  ser  em  outra  área,  ganha  o  equivalente  do   construido  adicionalmente  no  empreendimento   REGULAMENTAÇÃO  DA  COTA  DE  SOLIDARIEDADE  
  63. ZEPEC  –  Áreas  de  Proteção  Cultural   Criação  da  ZEPEC

     APC  –  Áreas  de  Proteção   Cultural  –  bens,  imóveis  e  espaços  dotados     de  interesse  público  relacionados  ao  uso   ou  com  valor  afeSvo,  simbólico,  histórico,   memorial,  paisagísSco  e  arpsSco.       -­‐  Imóveis  de  produção  e  fruição  cultural,   como  teatros  e  cinemas  de  rua,  circos,   centros  culturais,  residências  arpsScas  e   assemelhados;    -­‐  Espaços  com  significado  afeSvo  ou   simbólico  para  a  comunidade  e  para  a   memória  da  cidade.       IdenQficação:  A  parSr  de  enSdade  da   sociedade  ou  órgão  competente  a   qualquer  tempo  ou,  preferencialmente,   nos  planos  regionais  e  de  bairro.    
  64. Dimensão  cultural:     território  de  proteção  cultural  –  Paulista-­‐Luz

      R.  Vergueiro   Av.  do  Estado   V.  Leste-­‐Oeste   Pç.da  Luz   R.  D.  Veridiana   R.  S.  Joaquim  
  65. PL  Nº  688/2013   REVISÃO  DO  PLANO   DIRETOR  ESTRATÉGICO

      27/fevereiro/2014  |  Salão  Nobre  -­‐  CMSP   COMISSÃO  DE  POLÍTICA  URBANA   METROPOLITANA  E  MEIO  AMBIENTE   Relator  Vereador  Nabil  Bonduki