Upgrade to Pro — share decks privately, control downloads, hide ads and more …

Escola Bíblica Dominical Online Para Professores e Líderes

Escola Bíblica Dominical Online Para Professores e Líderes

Prezados irmãos em Cristo, em tempos atuais, a preparação para falar da Palavra de Deus com autoridade e segurança é mais que importante, é um compromisso pessoal que temos com aquele que criou todas as coisas, por isso, lhe apresento o Curso Escola Bíblica Dominical Online.

Com o advento da internet muita coisa mudou em nossas vidas. devemos admitir que a rede conectada tem seus males entretanto, uma coisa que é altamente positiva é o compartilhamento de conhecimento.

Há muito tempo professores de Escolas Dominicais sofriam, fazendo um grande esforço, para entregar o seu melhor para os alunos hoje, navegando pela internet encontrei um curso específico para as pessoas que tem o chamado para ser professor das Escrituras sagradas.

Aproveite e visite o nosso Blog Palavra de Vida Atual

Graça e Paz

A296a1e86dfab6010446a0c4a21706cf?s=128

Palavra de Vida Atual

January 09, 2021
Tweet

Transcript

  1. Formação de Professores e Líderes para Escola Bíblica Dominical ACESSE

  2. Formação de Professores e Líderes para Escola Bíblica Dominical

  3. Formação de Professores e Líderes para Escola Bíblica Dominical

  4. Formação de Professores e Líderes para Escola Bíblica Dominical

  5. None
  6. None
  7. Formação de Professores e Líderes para Escola Bíblica Dominical

  8. INTRODUÇÃO • O livro de Jó • Gênero literário Sapiencial

    (que vem de sabedoria). • O capítulo 28 é dedicado a uma exposição sobre a verdadeira sabedoria. • E a partir dele vamos desenvolver a aula de hoje. • É importante entender O SIGNIFICADO DA SABEDORIA • O substantivo hebraico Hokmah (sabedoria) e suas formas relacionadas (o adjetivo hakam, sábio; o verbo hakam, ser sábio; e o substantivo abstrato plural hokmot, sabedoria) são muito usados no AT. • principalmente em Jó, Provérbios e Eclesiastes.
  9. • Hokmah se referia não só à habilidade ou perícia,

    mas também à habilidade de aconselhar e/ou administrar. • Os anciãos das tribos (Dt 1.13,15), • José e Daniel nos seus altos cargos administrativos • (Gn 41.33-39; Dn 5.11,29), • Josué (Dt 34.9); e o • Rei Salomão (1 Rs 3.12,28; 5.7,12; 10.23,24) • Todos eram homens de sabedoria, com a responsabilidade de exercer justiça, tomar decisões certas e proporcionar liderança. • O rei de Tiro também possuía sabedoria (Ez 28.4, 5,17). INTRODUÇÃO
  10. INTRODUÇÃO • Hokmah às vezes conota astúcia ou sagacidade. •

    Exemplos: o conselho dado por: • Jonadabe (2 Sm 13.3); • pela mulher de Tecoa (2 Sm 14.2); e • pela mulher de AbelBete-Maaca (2 Sm 20.14-16). • O Egito tinha sábios: • nos dias de José (Gn 41.8); nos dias de Moisés (Ex 7.11). • A Babilônia tinha sábios nos dias de Daniel • Dn 2.12-14, 18, 24 e 48; 4.6 e 18; 5.7, 8,15 • Estes homens na corte do rei estavam associados com feiticeiros e adivinhadores, homens que aprenderam a habilidade de interpretar sonhos e usar poderes do oculto .
  11. INTRODUÇÃO • Hokmah também é usado acerca de agudeza intelectual.

    • Como Salomão que compunha provérbios e cânticos, além de ensinar botânica e zoologia. • 1 Rs 4.29- 34 • Faraó reconheceu a inteligência de José • Gn 41.33,39. • TER SABEDORIA, portanto, é pensar bem e agir bem, em qualquer empreendimento realizado, seja secular ou espiritual. • DEUS é a principal fonte de todo o bom pensamento e de toda boa realização, pois seu Espírito vive no homem, é expresso nEle e conduz o caminho.
  12. INTRODUÇÃO • A sabedoria é um atributo de Deus. •

    “... ao rei eterno, imortal invisível o único Deus” • descrito por Paulo em 1Tm 1.17; e • “... o único Deus nosso Salvador” • mencionado por Judas no versículo 25 • CONFIRMAM ISSO. • Na aula de hoje vamos responder à principal pergunta: • Quem é sábio segundo as Escrituras?
  13. I - A FONTE DA VERDADEIRA SABEDORIA • A Fonte

    da Verdadeira Sabedoria está em Deus. • A exposição de Jó sobre a sabedoria deve ser entendida a partir do seu contexto imediato: discurso dos 3 “amigos”: Elifaz, Bildade e Zofar. • O discurso proferido por Jó sobre a sabedoria introduz uma pausa no texto. • Pausa que antecede outra série de discursos que serão proferidos por Eliú. • Devemos lembrar que os amigos de Jó fizeram uma defesa apaixonada sobre a sabedoria, ao mesmo tempo em que acusavam Jó de não a possuir.
  14. I - A FONTE DA VERDADEIRA SABEDORIA • Jó recoloca

    a sabedoria no centro da discussão. • E por que ele faz isso? • Por que os seus amigos se diziam sábios e entendidos; • mas foram incapazes de dar respostas sábias e às questões levantadas por Jó. • Ele chegou à conclusão de que havia uma sabedoria, mas ela não se encontrava com os seus amigos. • O que se vê no capítulo 28 é o argumento do patriarca apresentando a sabedoria sob três dimensões: • natural, comercial e espiritual; demonstrando porque os homens não a haviam encontrado.
  15. I - A FONTE DA VERDADEIRA SABEDORIA • N. R.

    Champlin denomina o capítulo 28 de “Hino à Sabedoria” e o divide em três partes: • 1) Vss. 1 a 13 • O homem escava fundo, mas não encontra a sabedoria. • 2) Vss. 14 a 22 • A sabedoria não se acha nas profundezas do mar. • Importante acrescentar que não pode ser transmitida para outro homem (no sentido hereditário) e nem tem riqueza que a possa comprar. • 3) Vss. 23-28 • Só Deus sabe o caminho da sabedoria.
  16. II - A SABEDORIA NA ESFERA NATURAL • A Sabedoria

    na Esfera Natural: • É demonstrada na metáfora das minas (vs. 1 a 13). • O homem já demonstrava competência técnica: • metais eram minerados e fundidos; • túneis encravados através da rocha; e • os mananciais dos rios e fontes explorados. • Com o avanço da tecnologia perguntamos: • há alguma coisa neste universo que a humanidade não possa dominar? • A General Eletric - GE tem como slogan: • “SE DÁ PARA IMAGINAR, DÁ PARA FAZER”.
  17. II - A SABEDORIA NA ESFERA NATURAL • Deus é

    a fonte da sabedoria do universo moral, além de ter criado os elementos materiais. • O que não podemos entender, Deus conhece completamente. • Muitos são rápidas em pronunciamentos morais: • marcha do orgulho homossexual, • aborto como um mero assunto da liberdade pessoal das mulheres, • educadores sexuais distribuindo preservativos para adolescentes sem nunca mencionar a abstinência como uma possibilidade. • e, por esses dias, o Papa Francisco defendeu a união entre pessoas do mesmo sexo.
  18. • Todos proclamam, em voz alta, que sua posição é

    “moral”, enquanto ignoram o entendimento de Deus da maneira como expresso nas Escrituras. • A única Esperança é abandonar as noções humanas de moralidade e sujeitar-se a Deus. II - A SABEDORIA NA ESFERA NATURAL
  19. III - A SABEDORIA NA ESFERA COMERCIAL E CULTURAL •

    A sabedoria a qual se refere Jó, é bem diferente daquela conhecida pelos seus amigos, • que diziam se bem herdado, de pai para filho. • Era, portanto, um bem que poderia ser encontrado. • Jó mostra que a sabedoria, portanto, não é um bem simplesmente cultural; e também: • Da perspectiva natural, não há uma rota para encontrá-la. • Muito menos da perspectiva comercial. • Não há nada que possa comprá-la (v. 16). • Se é assim, onde, pois, estaria a sabedoria?
  20. III - A SABEDORIA NA ESFERA ESPIRUTUAL • “De onde,

    pois, vem a sabedoria” [...]? (vs. 12 e 20) • Jó, nos vs. 1-11, mostrou: • que não é possível obtê-la pelo esforço humano, mesmo que os homens sejam diligentes nesse projeto. • Não é um bem comercial e, por isso, não pode ser comprada. • Ela não tem preço, mas possui valor. • Ela é um bem imaterial, na verdade espiritual. • Não pode ser adquirida por meio da tradição, mas por REVELAÇÃO. • Não é um produto humano, mas divino.
  21. • No v. 28 lemos: • “Mas disse ao homem:

    Eis que o temor do Senhor é a sabedoria, e apartar-se do mal é a inteligência”. • Aqui está o clímax da argumentação de Jó sobre a sabedoria e a sua origem. • Ela é divina! • Não apenas divina, mas também relacional. III - A SABEDORIA NA ESFERA ESPIRUTUAL
  22. III - A SABEDORIA NA ESFERA ESPIRUTUAL • Jó mostra

    não apenas a origem da sabedoria, mas também o caminho que nos conduz até ela. • Deus é a fonte da sabedoria; • O temor do Senhor é o meio de chegar-se até ela. • Jó distancia-se dos seus amigos. • A sabedoria é revelada e encarna-se na existência humana. • Quem teme ao Senhor achou o caminho da sabedoria. • Esse, sim, é um sábio de verdade! • A sabedoria suprema consiste em adorar a Deus, não em cair na inútil ideia de emitir opiniões.
  23. • A sabedoria, na verdade, é um presente de Deus

    ao homem. • Ler 1Co 2.6-10. • Ver também: • At 6.10; 1Co 12.8; Ef 1.17; Tg 1.5; 3.15-17 • Textos confirmam ser a sabedoria um presente de Deus ao homem. • Ela sempre foi centrada na pessoa do Senhor Jesus Cristo. • Em 1Co 1.30 lemos: • “Mas vós sois dele, em Cristo Jesus, o qual se nos tornou, da parte de Deus, sabedoria, e justiça, e santificação, e redenção,”. • Confirme essa afirmação lendo também Cl 2.2-3 e Lc 11.49. III - A SABEDORIA NA ESFERA ESPIRUTUAL
  24. • Para os homens, Cristo é a sabedoria de Deus.

    • A sabedoria de Deus é demonstrada no seu plano de redenção da humanidade. • Plano esse que concretiza algo que a sabedoria humana, sob hipótese nenhuma, poderia concretizar. • E a palavra ou a mensagem da Cruz é o tema central dessa sabedoria. • Ler 1Co 1.18. • Jó termina seu discurso dizendo: • “Eis que o temor do Senhor é a sabedoria” (v.28b). III - A SABEDORIA NA ESFERA ESPIRUTUAL
  25. IV – O TEMOR DO SENHOR • Se o Temor

    do Senhor é a porta de acesso do homem à sabedoria divina, vamos entender o que efetivamente significa TEMOR DO SENHOR. • A primeira tarefa é distingui-lo de MEDO. • MEDO é uma sensação que proporciona um estado de alerta demonstrado pelo receio de fazer alguma coisa, geralmente por se sentir ameaçado, tanto fisicamente como psicologicamente. Pavor é a ênfase do medo. • (Dicionário Informal)
  26. IV – O TEMOR DO SENHOR • Já TEMOR seria

    “medo, susto”, mas também significa “reverência, respeito”. • No temor, portanto, não há ênfase no pavor. • (Dicionário Informal) • Em Jó 28.28, a palavra traduzida para o português como TEMOR é ( הארי) YIR’AH e, segundo STRONG’s NUMBER, também significa medo, mas na Bíblia tem o sentido de “temor (referindo-se a Deus), respeito, reverência, piedade, reverenciado”. • A mesma palavra é utilizada por Salomão em Pv 1.7 que acabamos de citar.
  27. IV – O TEMOR DO SENHOR • A raiz primitiva

    da palavra utilizada em Jó e em Pv, segundo STRONG, é derivada da palavra presente em Dt. 6.1-2, ( ארי) YARE’, que significa: • “temer, reverenciar”, e também “inspirar reverência ou temor ou respeito piedoso”. • “Temer ao Senhor”, é mandamento frequente no AT. • É importante que saibamos o que esse mandamento significa para nós como cristãos . • A medida que verdadeiramente tememos ao Senhor é que seremos libertos da escravidão de todas as formas de temores (medos) anormais e satânicas.
  28. IV – O TEMOR DO SENHOR • O mandamento geral

    de “Temer ao Senhor” inclui uma variedade de aspectos do RELACIONAMENTO entre o crente e Deus. 1º) É fundamental, no temor a Deus, reconhecer a sua santidade, justiça e retidão como complemento do seu amor e misericórdia, e conhece-lo e compreender plenamente quem ele é (ver Pv 2.5). • Esse temor baseia-se no reconhecimento que Deus é um Deus Santo, cuja natureza inerente o leva a condenar o pecado.
  29. IV – O TEMOR DO SENHOR 2º) Temer ao Senhor

    é considera-lo com Santo temor e reverência e honrá-lo como Deus por causa da sua excelsa glória, santidade, majestade e poder. • Em Sl 33.8-9 o salmista, na sua reflecção a respeito do Criador, declara isso explicitamente. 3º) E finalmente o verdadeiro temor a Deus leva o crente a crer e confiar exclusivamente nele para a salvação. • Ex 14.3; Sl 115.11 • Não é de admirar, portanto, que tais pessoas se salvem e desfrutem do amor perdoador de Deus e da sua misericórdia • veja Lc 1.50; Sl 103.11 e 130.4.
  30. IV – O TEMOR DO SENHOR • O temor de

    Deus é muito mais do que uma doutrina bíblica, ele é diretamente aplicável a nossa vida diária de muitas maneiras: 1) Se realmente tememos ao Senhor, temos uma vida de obediência aos seus mandamentos e damos sempre um “não” estridente ao pecado. • No Sl 112.1, vemos que o salmista ressalta que “temer ao Senhor equivale a deleitar-se nos seus mandamentos”. • Ver também Ec12.13
  31. IV – O TEMOR DO SENHOR 2) O crente deve

    ensinar seus filhos a temer ao Senhor, levando-os a abominar o pecado e a guardar os seus Santos mandamentos • Ver Dt 4.10, 6.1-2 e 2.6-9. • Um alvo básico na educação dos nossos filhos é que vivam segundo os princípios da sabedoria estabelecidos por Deus (Pv. 1.1-6). • Ensinar os filhos a temerem ao Senhor é um primeiro passo decisivo.
  32. 3) O temor de Deus tem um efeito santificante: •

    Há um efeito santificante na verdade da palavra de Deus (Jo 17.17), assim também há um efeito santificante no temor a Deus. • Nos leva a evitar o pecado e a desviarmos do mal (Pv 3.7; 8.13; 16.6). • Nos leva a ser cuidadosos/cometidos no que falamos (Pv 10.19; Ec 5.2, 6 e 7). • Ele nos protege do colapso da nossa consciência e da nossa frieza moral. 4) O temor do Senhor motiva o povo de Deus a adora-Lo de todo o seu ser. Se realmente tememos a Deus nós o adoramos e o glorificamos como o Senhor de tudo (Sl 22.23). • Davi equiparava a congregação dos que adoram a Deus com “os que o temem” (Sl 22.25). IV – O TEMOR DO SENHOR
  33. • Que a exata compreensão do que significa Temer ao

    Senhor transforme muitos corações presentes em muitas igrejas e que os “crentes” que só estão nos nossos templos com MEDO do inferno, sejam restaurados e impelidos a TEMER AO SENHOR de verdade. • Com a intenção de ter com ele um RELACIONAMENTO ESPIRITUAL sem precedentes que só os que adquiriram a revelação da SABEDORIA DEUS VĀO ALCANÇAR. IV – O TEMOR DO SENHOR
  34. • Jó buscou mostrar aos seus amigos: • Que mesmo

    com empenho na busca da sabedoria, os resultados não são satisfatórios. A sabedoria não é alcançada. • A sabedoria é um bem valioso e caro: ela não tem preço, mas sobretudo VALOR. • Ela não pode ser comprada ou comercializada, nem mesmo se é vendida. • Ela é uma verdade revelada. • Somente Deus é a fonte legítima da sabedoria. • Ele se materializa no temor do Senhor. Quem teme ao Senhor é um sábio. CONCLUSÃO
  35. • Tudo quanto os homens podem conhecer acerca da verdadeira

    sabedoria, precisam conhecer em Cristo; pois para os homens, Cristo é a sabedoria de Deus. • A sabedoria de Deus é demonstrada no seu plano, relativa à redenção da humanidade, plano esse que concretiza algo que a sabedoria humana, sob hipótese nenhuma, poderia concretizar. • E a palavra ou a mensagem da Cruz é o tema central dessa sabedoria. CONCLUSÃO
  36. QUE DEUS LHES ABENÇOE EM CRISTO JESUS! Formação de Professores

    e Líderes para Escola Bíblica Dominical