03 - URPE - Subsídios econômico-comportamentais à revisão de processos

03 - URPE - Subsídios econômico-comportamentais à revisão de processos

2e85d73d29b79f7b9224c94b3c250212?s=128

WTICIFES 2017 Recife

June 16, 2017
Tweet

Transcript

  1. Subsídios econômico-comportamentais à revisão de processos: o engajamento moral na

    execução de tarefas críticas Luiz Maia-Filho ( luiz.maia@ufrpe.br ) Recife, 30 de Maio de 2017 XI WTICIFES, RECIFE (2017)
  2. XI WTICIFES, RECIFE (2017) Motivação e Objetivos: ❖ Busca-se orientar

    o redesenho de atividades críticas, em processos... ❖ Atividades críticas, não raras vezes, escondem decisões de impacto sistêmico; ❖ Aplicação em ambientes suscetíveis ao desengajamento moral e cognitivo, expressos na reduzida criticidade ética e no descaso com os resultados... alguém aqui conhece ambientes assim?
  3. XI WTICIFES, RECIFE (2017) Fundamentos e Ferramentas de Análise: ❖

    Business Process Modeling Notation, Decison Model & Notation ❖ Racionalidade Pura (clássica) x Racionalidade Limitada (Simon) ❖ Satisficing e Moral Satisificing ❖ Desengajamento Moral: mecanismos de suspensão da criticidade ética
  4. XI WTICIFES, RECIFE (2017) Mecanismos de Desengajamento Moral (Albert Bandura):

    (i) o uso de justificativa moral para atos questionáveis; (ii) a comparação vantajosa com circunstâncias extremas; (iii) a responsabilidade difusa, que tende a suspender a individual; (iv) o deslocamento de responsabilidade própria para terceiros, que autoriza uma “oportuna” cegueira ética; (v) o uso de linguagem eufemística, para esconder aspectos éticos; (vi) a minimização das consequências.
  5. XI WTICIFES, RECIFE (2017) Método: I - Identificar atividades suscetíveis

    ao fenômeno comportamental estudado – no caso, mecanismo(s) de desengajamento –, podendo prejudicar o desempenho ou a reputação da organização; II - Substituir a atividade crítica por modelo de subprocesso comportamental, que: a) utilize notações convencionais BPMN e DMN para revelar juízo e decisões humanas; b) defina arbitrariamente padrões ou probabilidades de ocorrência dos fenômenos comportamentais estudados – como as tabelas de decisão, por exemplo, que replicam o uso de regras de bolso (heuristics) em uma escolha; c) permita contrastar execuções do processo com e sem a ocorrência do fenômeno estudado.
  6. XI WTICIFES, RECIFE (2017) Método: (cont.) III - Realizar simulações

    com um ou mais cenários, definidos por padrões alternativos de ocorrência do fenômeno, de modo a revelar a magnitude dos impactos esperados; IV - Compilar e analisar dados gerados na simulação, seja sobre incompletude (medida de eficácia, em processos que possam ser interrompidos em decorrência do fenômeno estudado); sobre recursos possivelmente subtraídos, como tempo ou esforço (medidas de eficiência); ou sobre prejuízos ao alcance de objetivos globais do processo (efetividade).
  7. XI WTICIFES, RECIFE (2017)

  8. XI WTICIFES, RECIFE (2017)

  9. XI WTICIFES, RECIFE (2017)

  10. XI WTICIFES, RECIFE (2017) Resultados e Conclusões: ❖ No exercício

    de simulação, aproximadamente 11% das horas contratadas para análise e revisão de solicitações teriam sido contratadas mas, em decorrência do desengajamento moral, não executadas; ❖ Exercícios de MODELAGEM e simulação parecem, sim, poder ajudar na compreensão de dinâmicas comportamentais e seus impactos; ❖ É possível ir além de meras conjecturas sobre a relevância do desengajamento moral, estabelecendo bases para sua identificação e para a compreensão de sua dinâmica “tóxica”.
  11. Comentários, sugestões, reclamações... tod@s bem-vind@s! Obrigado! luiz.maia@ufrpe.br